Pular para o conteúdo principal

Justice Society of America volume 1 (1991): Vengeance from the stars!

Com texto de Len Strazewski e arte de Mike Parobeck, Rick Burchett, Grant Miehm, Tom Artis e finais de vários, a trama transcorre no ano de 1.950, tendo cada uma das seis primeiras edições um personagem ou dupla central. As duas últimas edições mostram a equipe já unida.

Para entender a relevância de algumas passagem da trama é bom lembrar que os anos 1.950 tiveram como características nos quadrinhos tramas com temas de sci-fi, Guerra Fria, exploração da radiação e as conseqüências de seu uso.

Internamente iniciava-se a perseguição aos comunistas (os filiados ao Partido Comunista e os simpáticos às idéias). Esta perseguição chamada genericamente de McCarthismo em referência ao Senador Joseph McCarthy ou “caça às bruxas” em referência à peça “As bruxas de Salém”. Na peça, uma alegoria dos fatos que estavam realmente acontecendo nos EUA, pessoas eram obrigadas à responder questões e apontar possíveis suspeitos de terem relações com as bruxas ou os poderes do mal. Há uma versão cinematográfica do final dos anos 1.990 de excelente qualidade.

A sociedade americana também começava a modificar seus hábitos em função da onipresença da TV nos lares, como tão bem retratado na trama, onde o fato do vilão assistir a inúmeros programas de TV faz com que alguns seres de energia tenham suas formas modificadas.

Na primeira edição Ted Knight (Starman) se prepara para a inauguração do Observatório e aproveita a última noite para observar as estrelas sozinho. Uma formação estranha o deixa em uma cadeira de rodas e ele é obrigado a enviar Flash (Jay Garrick) à usina de Boulder Dam para enfrentar uma ameaça desconhecida que materializa-se na forma de um monstro alimentado por energia.

Por algum motivo Ted está obedecendo a uma sinistra dupla formada por Solomon Grundy e Vandal Savage. Alguns poucos descobrimos que Ted estaria em depressão – algo bastante tocado pelos roteiristas que trabalharam com o personagem, veja A era de ouro de James Robinson & Paul Smith - e isto deixa o cientista manipulável aos jogos de Savage, que usa o bastão cósmico de Knight, modificado pelo próprio herói, para invocar os seres de energia – uma manifestação de algumas constelações que irão enfrentar separadamente os heróis.

No segundo número a falha de energia provocada pelo ser que enfrentou Flash espalha-se pelos EUA e em Gotham City, Canário Negro tem que enfrentar Solomon Grundy no Museu. Há muita ação, mas na sequência final Canário é derrotada permitindo o roubo da Coroa de Kheops.

Como alguns leitores mais antigos lembram-se que Savage já foi Kheops – após a morte do verdadeiro faráo o vilão imortal teria assumido seu lugar – fica fácil descobrir quem é o vilão, até então em sombras.

Ao mesmo tempo Savage invoca um novo ser de luz que irá enfrentar o Lanterna Verde (Allan Scott) no terceiro número, primeiro com a forma de um archeiro, depois de uma águia. No final da edição, Lanterna e Canário são levados ao observatório onde está o vilão.

A quarta edição mostra Gavião Negro enfrentando mais um ser de energia na forma de Andromeda – e depois Pégasus – numa escavação arqueológica numa área de testes de bombas atômicas. Gavião também é derrotado mas ao final da edição se alia ao Flash e no quinto capítulo enfrentam seus monstros juntos. Ao vê-los derrotarem seus seres de energia Vandal Savage entra em campo e os ataca, nocauteando-os.



Na sexta edição é a vez de Lanterna Verde e Canário Negro unirem-se para enfrentar a criatura alada e ao final se encontrar com os amigos no Novo México.

A sétima edição é dividida entre um enfrentamento dos quatro membros da SJA contra Solomon Grundy, a fuga de Vandal levando o bastão cósmico com defeito e o entregando a um recuperado Ted Knight (ele superou a depressão, mas não revela ao vilão) e a Vandal utilizando as energias da eletricidade, ondas de televisão e energia atômica para energizar peças que utilizou na época em que foi Kheops para dominar o mundo.

Na conclusão, a união de equipe consegue fazer frentes aos planos de Vandal Savage e ao final é arremessado ao espaço com Solomon.

A série termina com a equipe prometendo se unir novamente e um anúncio de TV mostrando a ascensão de McCarthy (veja aqui a relação com a SJA).

Bastante movimentada e divertida, o maior defeito da série é a mudança constante de desenhistas, algo que o roteiro ajuda a superar.

Para piorar o capista é o artista Tom LyleRobin, Starman (de Roger Stern) e Detective Comics, bastante irregular.

Certamente o traço cartoon de Parobeck poderia produzir capas mais belas.

É uma típica história de heróis de dura um dia e uma noite e se passa em vários locais ao mesmo tempo, mostrando a habilidade dos membros. Comparando com o que se sabe hoje, a figura de Gavião Negro – sempre considerado um líder natural e um pouco centralizador – está bem apagada, mas o restante dos membros estão próximos daquilo que sabe-se deles depois de anos acompanhando as séries JSA e Justice Society of America volume 3.

Excelente diversão, sem complicações cronológicas, sem necessidade de notas de rodapé e sem grande investimento.







Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…