Pular para o conteúdo principal

Sweet Tooth, volume 2: Cativeiro

Desde A morte doCapitão Marvel, quando Jim Starlin se curou do trauma da morte do pai, vítima de câncer, parece que os autores estão passando mensagens em suas narrativas. Algumas são evidentes e outras se tornam apenas quando esmiuçamos a vida deles. Não sei por que fico com esta impressão quando leio esta obra.

Em Sweet Tooth o mundo foi devastado por uma praga. As pessoas morrem e as crianças nascem com características animais.

Gus, um inocente garoto com características de cervo, é levado por Jepperd para um local onde através de hipnose o estudam, depois de haver um grande suspense se o dissecariam ou não. Os responsáveis creem que ele é o primeiro híbrido e que em suas memórias estão segredos que permitam a sobrevivência da raça e as respostas sobre a origem da praga.

Ao mesmo tempo temos uma narrativa secundária de nos conta a história de Jepperd e suas motivações para capturar e entregar Gus. Parece que ninguém é mau realmente, apenas um mundo sombrio o deixou assim.

Ainda não gostei do traço de Jeff Lemire (texto & arte), continuo achando seu texto mediano, mas confesso que sua narrativa é interessante, ainda que cheia de lugares comuns. Talvez fazer esboços para um artista mais talentoso fosse sua real função no quesito arte da série.

No final fico com a impressão de que Sweet Tooth é para uma audiência mais madura que sabe que zumbis são fisicamente impossíveis, mas essencialmente narra uma história semelhante à The Walking Dead, onde o foco é a sobrevivência após um holocausto, a luta das pessoas comuns, a percepção dos pés de barro de nossos heróis e o surgimento de “autoridades” que nos dizem o quê fazer, como fazer e quando fazer.

Com um traço pobre e texto enxuto pode ser lido rapidamente de um fôlego só.

Reúne Sweet Tooth #6-11/2010 em 148 páginas por R$ 19,90.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…