Open top menu
segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Desde A morte doCapitão Marvel, quando Jim Starlin se curou do trauma da morte do pai, vítima de câncer, parece que os autores estão passando mensagens em suas narrativas. Algumas são evidentes e outras se tornam apenas quando esmiuçamos a vida deles. Não sei por que fico com esta impressão quando leio esta obra.

Em Sweet Tooth o mundo foi devastado por uma praga. As pessoas morrem e as crianças nascem com características animais.

Gus, um inocente garoto com características de cervo, é levado por Jepperd para um local onde através de hipnose o estudam, depois de haver um grande suspense se o dissecariam ou não. Os responsáveis creem que ele é o primeiro híbrido e que em suas memórias estão segredos que permitam a sobrevivência da raça e as respostas sobre a origem da praga.

Ao mesmo tempo temos uma narrativa secundária de nos conta a história de Jepperd e suas motivações para capturar e entregar Gus. Parece que ninguém é mau realmente, apenas um mundo sombrio o deixou assim.

Ainda não gostei do traço de Jeff Lemire (texto & arte), continuo achando seu texto mediano, mas confesso que sua narrativa é interessante, ainda que cheia de lugares comuns. Talvez fazer esboços para um artista mais talentoso fosse sua real função no quesito arte da série.

No final fico com a impressão de que Sweet Tooth é para uma audiência mais madura que sabe que zumbis são fisicamente impossíveis, mas essencialmente narra uma história semelhante à The Walking Dead, onde o foco é a sobrevivência após um holocausto, a luta das pessoas comuns, a percepção dos pés de barro de nossos heróis e o surgimento de “autoridades” que nos dizem o quê fazer, como fazer e quando fazer.

Com um traço pobre e texto enxuto pode ser lido rapidamente de um fôlego só.

Reúne Sweet Tooth #6-11/2010 em 148 páginas por R$ 19,90.
Different Themes
Written by Lovely

Aenean quis feugiat elit. Quisque ultricies sollicitudin ante ut venenatis. Nulla dapibus placerat faucibus. Aenean quis leo non neque ultrices scelerisque. Nullam nec vulputate velit. Etiam fermentum turpis at magna tristique interdum.

0 comentários