Pular para o conteúdo principal

Livros: Homens do Amanhã

Gerard Jones consegue em Homens do Amanha geeks, gângsters e o nascimento dos gibis (publicado em 2004 e com edição de 2006 no Brasil pela Conrad Editora, ISBN 85-7616-160-5) contar a história que faltava até então: a da criação do mercado de quadrinhos e da relação entre os fãs, os gangsteres e os judeus no processo.

Sempre houve e sempre haverá relatos biográficos e autobiográficos de dezenas de autores e de personagens, mas Jones se concentra na história da indústria, tendo foco na narrativa da história de Harry Donenfeld, Jack Liebowitz e dos criadores do Superman, Jerry Siegel e Joe Shuster. É uma terrível história de injustiças, roubos e trapaças que pode ser coroada de forma nada aprazível quando, em 2.013, a questão dos direitos autorais do Superman foi finalmente encerrada e a DC Comics ganhou a causa: os fãs de então estavam com um estranho sorriso de satisfação dos lábios.

No processo de narrar a criação do mercado de quadrinhos, Jones vai além e traz à luz dos holofotes rápida ou mais intensamente a história de gente como Hugo Gernsback, Major Wheeler-Nicholson, Charles & Bill Gaines, Mort Weisinger, Bob Kane e ainda mais rapidamente Martin Goodman, Stan Lee, Jack Kirby, Jack Cole e Will Eisner. Não é a história da vida deles, mas suas contribuições cheias de coincidências, sucessos e dissabores à história dos quadrinhos, uma mídia que, se não foi criada, foi encampada por judeus imigrantes que buscavam sucesso financeiro e relevância social. Na soma destes dois quesitos, ninguém obteve tanto quanto Jack Liebowitz que viu e agarrou todas as oportunidades, criando uma empresa que se tornaria peça fundamental no conglomerado AOL-Time Warner.

Não é uma história feliz ou com um final feliz. Não é uma história que termina coroada com uma punição financeira por décadas de exploração da criação de dois adolescentes. É uma história do gênero humano e de como o dinheiro, se não muda as pessoas, traz à tona o que elas realmente são.

Apesar da capa ridícula (e apropriadíssima, diga-se de passagem, o quê nos leva à máxima de que não se deve julgar um livro pela capa, ou então que sim, deve-se julgar, por que não há capa mais geek que esta) é um livro fundamental para entender a criação dos quadrinhos, mas não é tão eficiente nos anos mais recentes. Não faz uma única referência à DC Implosion, às revisões do Código de Conduta dos Quadrinhos ou das constantes revisões recentes (o novo universo DC em 1987, que cita rapidamente com foco só no Superman ou o universo Ultimate na Marvel de 2001). Sequer cita Watchmen, Alan Moore – que assina uma citação na contracapa!, Neil Gaiman ou a invasão britânica. Mas não era esta a história que ele queria narrar.

Mesmo assim garimpo uma citação de se refere às revisões, próximo ao fim do livro, nas páginas 406-407:

"Personagem nenhum sobreviveu tão bem às areias movediças da cultura de massa como os super-heróis. Mickey Mouse e o Pato Donaldo permanecem como mascotes empresariais. Pernalonga e Patolino ainda fazem um retorno ocasional, mas nunca foram reinventados com sucesso para o momento atual. Blondie Bumstead ainda sai nos jornais por hábito e nostalgia. Os heróis dos pulps, O Sombra e Doc Savage, simplesmente sumiram. Mas depois de quase 70 anos os super-heróis dos quadrinhos continuam voando pelas telas dos cinemas, pelos televisores, em consoles de videogames e em lojas de brinquedo do mundo inteiro. Talvez eles até sejam mais conhecidos e mais relevantes, culturalmente falando, do que eram quando jovens. Os quadrinhos se tornaram ponto de referência tanto na mais esotérica arte e ficção como na mais popular. Todo mundo entende uma alusão ao Super-Homem ou uma piada com o Batman. (…)”
Gerard Jones.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!