Pular para o conteúdo principal

The Defenders Over-Mind!


"From beyond the stars shall
come the Over-Mind and he shall
crush the universe!"

No verão de 1982 a série The Defenders #112-115 (out/82-jan/83) apresentou a primeira aparição do Esquadrão Supremo após A Saga da Coroa da Serpente. Era um conflito semelhante à estrutura dos eventos Liga da Justiça/Sociedade da Justiça da DC Comics, levando duas equipes a lutarem contra um inimigo comum.

Kyle Richmond foi eleito o presidente da Terra-S (nominada na edição #114), mas passou a sofrer influência de uma criatura alienígena chamada Over-Mind (um avatar para a consciência de uma raça chamada Os Eternos, mas não aqueles Eternos). Over-Mind ganha a simpatia do Esquadrão Supremo, mas logo seu controle é questionado quando Richmond instaura um estado de sítio. Over-Mind controla a equipe e Hiperion foge, envenenado por argonita.

Na Terra-616 (a Terra padrão do Universo Marvel) ele consegue o auxílio dos Defensores, que na época contavam com muitos membros clássicos e também Visão, Feiticeira Escarlate e o recém ressurrecto Nighthawk. Ao avisar que Over-Mind, Richmond e o Esquadrão estão construindo uma base lunar para invadir todas as dimensões possíveis de modo a dominar o universo, não resta mais dúvida senão partir para a Terra-S e atacar os vilões.

Com a ajuda de uma mulher composta de energias e poderes mentais chamada Mindy, que supostamente teria salvado Nighthawk da morte edições antes, os Defensores chegam à Base Lunar Um e degladiam com o Esquadrão, numa típica luta de equipe de heróis.

Durante a luta Kyle Richmond, o presidente dos EUA da Terra-S, é assassinado por um descontente com seu reinado de terror e descobrimos que em seu corpo estava NULL, the living darkness, um inimigo recém derrotado dos Defensores.

Na edição seguinte Mindy soma suas energias com Defensores e Esquadrão Supremo e consegue derrotar Null – uma batalha que toma toda a edição – mas descobrimos que Kyle era um constructo e, na verdade, Nighthawk era Kyle! Ou seja: ninguém morreu!

É o seguinte: quando Nighthawk morreu, ele morreu mesmo! Mindy o substituiu com o Kyle da dimensão seguinte, alterando suas memórias. Na Terra-S Over-Mind criou um constructo que foi ocupado pela essência de Null.

Hum... que gosto ruim que fica na boca.

Mas é uma boa história que mostra o segundo caso de domínio mental do Esquadrão Supremo na sua segunda aparição.

Por JM De Matteis & Don Perlin (#112-114) e De Matteis (#115), Don Perlin, Mike Gustovich (#112-114) e Hilary Barta (#115).

Observação: a explicação da substituição dos Kyle's leva apenas quatro páginas da edição #115, que continua a história com um desvio interdimensional dos Defensores antes de retorna à Terra-616.






Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…