Pular para o conteúdo principal

HBO + Girls + VEEP: a nova safra de séries

Na segunda, 23 de julho estreou no Brasil no canal por assinatura HBO as séries VEEP (22h35, segundas) e GIRLS (em seguida).

VEEP é protagonizado pela vice-presidente Selina Meyer, interpretada com inteligência por Julia Louis-Dreyfus (Seinfeld, The New Adventures of Old Christine) e em um estilo deliciosamente semelhante ao The Office britânico mostra o dia a dia da VP e seus assessores. É interessante e não tem a claque – o som da risada – para obrigar a você entender a piada sem graça e rir naquele momento.

No primeiro episódio a VP inicia um ataque à indústria do plástico e para não irritar a indústria do petróleo, do qual o plástico é um derivado, tem um discurso sumariamente cortado pelo assessor do presidente.

É impossível não salivar pelo próximo episódio depois de ver um preview onde, diante da notícia da ausência do presidente, Selina não consegue conter o contentamento, ao mesmo tempo em que procura não parecer muito feliz.

Já GIRLS se passa na Nova Iorque da era da crise econômica. Hannah (Lena Dunham) quer ser a voz de sua geração, mas seu pais – professores – desejam parar de financiá-la e passarem a ter uma vida digna. Assim querem que a filha caminhe com as próprias pernas. O problema é que mesmo após dois anos da conclusão de seu curso, ela tem apenas um emprego não remunerado de estagiária. É hilariante e tão deja vú a sequência onde ela se arrasta ao diretor da empresa para conseguir a efetivação de seu emprego e transformação em um cargo remunerado, e o diretor diz que tem dezenas de currículos para avaliar e que a vaga dela será facilmente substituída.

Girls não tem vergonha de soar semelhante à Sex and the City – série sobre um quarteto de balzaquianas glamourosas em Nova Iorque – e não corre do quarteto de personagens centrais lideradas por Hannah e todas com cerca de vinte e poucos anos. Mas não há glamour, seja no ar de constante preocupação com o aluguel e dependência financeira, seja na forma em que os casais são retratados: uma amiga tem um namorado pegajoso a que evita e Hannah tem um ficante que só pensa em sexo e na autossatisfação e protagoniza uma das cenas de sexo menos glamourosas da TV, ela querendo conversar e extravasar suas neuroses e ele preocupado em comê-la o mais rapidamente possível.

Juntas a séries podem dar um ar de inteligente às noites de segunda.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…