Pular para o conteúdo principal

Sarcófago: Batman #424: The diplomat's Son

Recentemente quando iniciou Os Novos 52, Batman encontrou um corpo e material genético de Dick Grayson sob as unhas do defunto.

Não me criou nenhum frisson a possibilidade de que Dick Graysson, o primeiro Robin e atualmente o Asa Noturna, pudesse mesmo remotamente ser o assassino.

Mas em Batman #424 (outubro – 1988), a coisa era levemente diferente. O Robin de então era Jason Todd, mas a “segunda versão” de Todd. Explico: Todd foi criado antes de Crise nas Infinitas Terras e nada mais era que um segundo Dick Graysson. Se duvida, veja a clássica história “Para o homem que tem tudo” de Superman Annual #11 de Alan Moore & Dave Gibbons. É Todd, mas poderia muito bem ser Graysson.

Ele existia apenas por que Batman precisava de um Robin, preferencialmente obediente e por que Dick abandonou o uniforme, tornando um “adulto” e assumindo a persona de Asa Noturna na série The New Teen Titans.



Quando foi reintroduzido após a Crise, Todd tornou-se um personagem odiável, rancoroso, desobediente, chato, o que fatalmente o levou à morte em uma famosa saga.

Na aventura desta edição da série americana Batman, escrita por Jim Starlin, com lápis de Mark Bright e finais de Steve Mitchell, Robin salva uma modelo de um espancamento de um hispânico genérico chamado Felipe Garzonas. O rapaz tem imunidade diplomática e é liberto, com uma versão levemente diferente da história, que não há como comprovar qual é a verdadeira.

A dupla dinâmica consegue comprovar a ligação do jovem com tráfico e ele está prestes a ser extraditado, quando por vingança liga para a modelo e a ameaça, levando a frágil garota ao suicídio.

Robin decide ir em busca de respostas com Felipe e surge na sacada do apartamento, onde Garzonas está (pág. 20 da edição #424). Repentinamente, após uma página de propaganda, Felipe surge caindo em painel vertical da página 21.

Batman chega à sacada e segue o seguinte diálogo:

Batman: Robin, what happened?!

Robin encara Batman, depois abaixa a cabeça, claramente envergonhado.

Batman torna a perguntar: Robin, did Felipe fall... or was he pushed?

Robin: I guess I spooked him. He splipped.

A página termina com Batman carrancudo na sacada enquanto Robin sai pendurado numa bat-corda qualquer.

O legal da história e criar uma dúvida legítima sobre o envolvimento de Jason Todd no crime.

Ao final da história há a dúvida. Ela é palpável. Não fica claro o quê realmente aconteceu na sacada e isto é genial por que é mostrado uma possibilidade real de Robin ter falhado com os ideais defendidos pelo homem morcego.

É uma história simples e fechada que consegue delinear bem os personagens, a situação e o comportamento deles.

No mês seguinte teve uma sequência que continuava a tentar mostrar para o público que Todd era um Robin ruim.

É interessante que mostrar Jason Todd como um Robin inadequado para Batman era uma estratégia do editor Denny O'Neil repassado para o excelente escritor Jim Starlin. No fim, quando o pior aconteceu com o garoto, a culpa recaiu apenas sobre os ombros de Starlin.

Uma pena...

(Obrigado Yuga pelas edições)

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…