Pular para o conteúdo principal

Os Vingadores: Uma vez Vingador...


Um dos projetos mais audaciosos da Marvel Comics em termos de continuidade foi o 3º volume da série The Avengers.

Diferentes das séries colegas como Captain America volume 3, Fantastic Four volume 3, Iron Man volume 3 e The Mighty Thor volume 2, Kurt Busiek não se preocupou em criar uma nova mitologia para a maior equipe de heróis do Universo Marvel, mas sim, aproveitar, explorar e esmiuçar toda a extensa cronologia que já existia.
Com isso ele preparou terreno para atrair leitores que gostavam da série e do conceito, mas certamente afugentou quem não queria uma série saudosista.

E ela o é!

Há citações pipocando em cada edição a todo o passado dos heróis, mas feitas de uma maneira criativa: elas estão lá e enriquecem a trama, mas não são fundamentais para a compreensão.
Assim, e você souber quem é o Demolição ou quem é a Madonna Celestial, bem, se não souber isto não irá atrapalhar o prazer da leitura.
As citações, que com um desenhista detalhista como George Pérez, tornam-se um detalhe saborosa, estão lá, mas não são perceptíveis a todos. E se a trama necessita de alguma história do passado esquecido – como o Campeão, por exemplo – Busiek & Pérez tratam de resumir e contextualizar para o leitor do fim dos anos 1.990.
Nas 36 primeiras edições quando o time criativo era Kurt Busiek, George Pérez e Al Vey com fill-ins como Jerry Ordway e Stuart Immonen, além de termos excelentes aventuras cheias de ação, temos também o resgate da história da equipe e dos seus personagens e dos problemas que os tornaram famosos: enfrentamentos entre o líder natural e o líder audacioso (Capitão América x Gavião Arqueiro), a paixão pela máquina e os triângulos amorosos (Feiticeira Escarlate x Visão x Magnum), a interferência do governo com um novo agente de interligação, segredos e alcoolismo.

Ou seja, detalhes que ao longo da história da Marvel tornaram a editora próxima de seu público, com seus heróis cheios de falhas.
Com as séries auxiliares Vingadores Eternamente (Avengers Forever), Avengers Infinity, Segurança Máxima e Avengers: Celestial Quest, toda a cronologia dos Vingadores é revista, posta em dia e os itens de relevância são aproveitados para as aventuras da equipe.
Vale lembrar que durante o ano em que Os Vingadores estiveram no Planeta Destino, a equipe de vilões disfarçados Thunderbolts regenerou-se e traiu os planos de seu líder logo após o retorno dos heróis. Como ambas as séries tinham Busiek como escritor houve dois cross-overs que mostram uma relação bem semelhante à que havia entre Vingadores da Costa Leste e da Costa Oeste.
Nas edições #1-4 temos um confronto místico com Morgana Le Fey & Mordred. Le Fey é uma versão da personagem celta da história do Rei Arthur, sua meia-irmã que teria um filho com o rei.

Quem desejar fazer um resgate inteligente do personagem pode busca As brumas de Avalon de Marion Zimmer Bradley (em 4 volumes).
O evento disponível nas edições 1-3 é uma desculpa para Busiek & Pérez reunirem todos os membros da equipe novamente contra uma ameaça comum e mística. Por um lado é uma aventura sem um pingo de novidade com dezenas de heróis sendo dominados mentalmente e a realidade recriada, mas por outro é delicioso ver o comportamento dos membros, versões alternativas e o belíssimo traço de Pérez.

Aqui Le Fey usa o poder da Espada do Crepúsculo – perdida com a destruição de Asgard – e as energias da Feiticeira Escarlate para construir uma realidade que a tem como regente máxima.
Foi publicado no Brasil em Grandes Heróis Marvel vol 2 #01.
A quarta edição é a escalação dos membros desta fase: Capitão América, Thor, Homem de Ferro, Visão, Feiticeira Escarlate, Warbird, Gavião Arqueiro e dois reservas Justiça e Flama.

Aqui também ficamos conhecendo o novo elo de ligação dos Vingadores com o governo: agente Duane Jerome Freeman, que tem uma política beeeeeemmm diferente de Gyrich. Como tramas secundárias temos o retorno dos sentimentos de Visão, a ressurreição de Magnum, o alcoolismo de Warbird (Carol Danvers) além do reposicionamento de muitos personagens do Universo Marvel a série merece atenção dos leitores e, na medida do possível, uma reedição pela Panini Comics, afinal já se vão 12 anos da publicação por aqui.


Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…