Pular para o conteúdo principal

Ed Mort e outras histórias

Meu primeiríssimo contato com Ed Mort foi uma propaganda no verso de um álbum do Batman para L&PM e algumas propagandas dentro da Revista do Livro da extinta editora Círculo do Livro, ligada ao Grupo Abril.

Me interessei por Luís Fernando Veríssimo e acompanhei suas crônicas na VEJA e na Revista Domingo do Jornal do Brasil e conheci dois personagens marcantes: o Analista de Bagé e a Velhinha de Taubaté – a última pessoa que acreditava no governo Figueiredo. Na época alguns amigos conseguiram as páginas das crônicas das revistas das coleções pessoais de parentes que estavam para jogar as edições no lixo. Ainda as tenho.

Mas o detetive particular Ed Mort só li em tiras. Poucas, diga-se de passagem.

Comprei mais Veríssimo com suas comédias sobre a vida privada e pública, mas Mort eu deixei de lado sem experimentar.

* * *

No início de dezembro de 2011 zapeando entre os canais descobri uma série Ed Mort no Multishow onde o detetive é interpretado por Fernando Caruso. Caruso e os roteiristas tentam dar uma estrutura aos curtos contos de Veríssimo com o personagem, tiram alguns elementos que funcionam bem no livro como os baratas e o rato Voltaire mas certamente não teriam impacto nenhum na TV e acrescentam o ajudante, o dono do prédio (reaproveitando o nome Voltaire) e a simpática moça que trabalha na pastelaria, apaixonada platonicamente por Mort... Ed Mort... está na placa!

Com 22 minutos o programa funciona bem e já sinto-me triste com o retorno de Caruso para o insonso programa de humor que fazia antes. Até a finalização dos episódios com a equipe cantando uma música num estilo intimista é bem divertido. Espero que tenha uma segunda temporada mesmo que os contos sejam poucos. Mas como o programa mistura os curtos contos do detetive com contos do livro original de Veríssimo e a história, invariavelmente sobre a busca de um marido desaparecido, é contada de forma contemporânea e com um película de cinema, produz uma comédia agradável aos olhos.

Anteriormente os contos foram adaptados para um filme com Paulo Betti interpretando o detetive.

* * *

Já o livro é datado, diferente de outras coletâneas de contos do autor como as sobre a Era Collor, o Analista de Bagé, sobre a vida privada e sobre o setor público que funcionam bem até hoje com o mínimo de contextualização. São realmente contos pa

ra se ler em uma revista entre as sisudas reportagens, achar engraçado e esquecer. E também não são muitos sobre o detetive – cinco ou seis.

Numa passagem ou em outra o livro transmite inteligência e a lembrança da Ditadura Militar, noutras consegue ser engraçado mas completamente dispensável.

Típica leitura para uma viagem que dure entre três ou quatro horas.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…