Pular para o conteúdo principal

Pioneer One: uma nova proposta


Não acredito piamente que a única possibilidade de inovação esteja na TV em contraponto ao cinema, que não pode mais arriscar numa nova estética, já que há pesados investimentos que possibilitam a produção de um filme. Alardear que a TV é por si só inovadora é uma bobagem tamanha já que o Big Brother está aí para provar para nós.

Mas é verdade que a TV tenta ser inovadora. Séries como The Sopranos, Battlestar Galactica e Game of Thrones conseguem impressionar. Estas três conseguem.

Claro que episódios que consomem mais de US$ 3 milhões também necessitam de retorno financeiro e o ciclo é apenas transferido. A inovação se perde e novamente há a necessidade de se produzir um material que tenha aceitação e portanto seja fácil de ser vendido, não somente nas propagandas, mas também os boxes de temporadas.

Séries longas tem problemas de negociação de salários e séries que adaptam livros tem o detalhe de que alguns atores sabem que são fundamentais para a trama e por isso parcialmente insubstituíveis. Daí os produtores de Game of Thrones espalharem que irão matar alguém que ainda não morreu nos livros.
 

Pioneer One tenta romper parte do esquema da indústria criando a possibilidade de financiamento nos espectadores.

A trama
No presente uma nave da antiga URSS cai no limite entre EUA e Canadá e trás um garoto dentro. Reunindo uma equipe do FBI para cuidar do caso, cria-se uma forte suspeita de que a nave seja um retorno à Terra de uma missão tripulada soviética que foi à Marte! É convocado um especialista em sobrevivência no planeta vermelho, enquanto o chefe do escritório local do FBI tenta conseguir tempo para descobrir as origens do garoto e afastá-lo de uma denúncia de terrorismo em função do material radiativo da nave.

A série
Disponível em www.pioneerone.tv a série teve o piloto produzido com apenas US$ 6.000,00 (!) e pede financiamento aos espectadores através de doações e compra de material relacionado, como camisas, copos, DVDs. A demora para conseguir o montante necessário para a produção afastou alguns atores e nota-se claramente deficiências de iluminação e, especialmente no primeiro episódio, a câmera treme em vários momentos. Apesar de alguns defeitos visuais a primeira temporada é muito interessante pois faz um foco político à questão da corrida espacial. Termina realmente sem nenhuma solução, mas com apenas seis episódios de trinta minutos em média, isto não traz nenhum cansaço à série, ao contrário das longas temporadas de 22 episódios que não chegam a lugar algum.

Os episódios podem ser baixados no sítio da série ou através de tecnologia torrent. E lembre-se: Não é pirataria!

As legendas estão disponíveis em www.legendas.tv.




A proposta
Há anos temos a informação da existência de fan-films (filmes produzidos por fãs) sejam de Jornadas nas Estrelas, seja do Batman (City of Scars é um bom exemplo). Pioneer One, resgata todo o clima de séries de sci-fi envolvendo o FBI e é impossível não relacionar ao produto de Chris Carter The X Files ou mais recentemente à série Fringe de JJ Abrahams. Diferente das séries, Pioneer One não se concentra no amor platônico entre protagonistas, mas no antagonismo entre mundos do chefe do escritório local do FBI e um cientista visionário e as decisões que tomarão diante de uma descoberta que pode revolucionar a ciência ou se for apenas uma farsa, por em descrédito os envolvidos.
Enquanto o custo de produção de uma série de TV já ultrapassa os US$ 2 milhões sem nenhuma dificuldade, a série se propõe a produzir seus episódios com US$ 60 mil, utilizando o sistema de doação e venda de material relacionado. Não é perfeito, mas mostra também que o roteiro tem que ser inteligente e bem amarrado para manter o público interessado o suficiente para pagar para assistir ao próximo episódio – geralmente as doações são de US$ 1,00.

Segundo informações o episódio de abertura da segunda temporada – que leva o ex-agente e o cientista à Rússia – já está em processo de finalização.

Altamente indicado para fãs de séries de “divisões do FBI” que pela quantidade de séries com este tema, já deveria ganhar uma classificação. Mas por favor não se esqueça que os produtores não tem recursos e não vale ficar apontando as deficiências. É diferente falar mal de Fringe, V, Two and a Half Men, Boardwalk Empire e outras porque os produtores tem dinheiro e fazem bobagens. Aqui os produtores tem ideias o que é razoavelmente superior!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…