Pular para o conteúdo principal

Fundação, Isaac Asimov


Aos quinze anos eu conheci Isaac Asimov nas bancas com a tradução de Isaac Asimov Science Fiction Magazine feita pela Editora Record (25 números) e ao mesmo tempo comprei as coletâneas dos Robôs da editora Círculo do Livro. Eu estava febril com as possibilidades da ficção científica e adorava tudo que o bom doutor escrevia.

Li o básico, mas esqueci completamente do avançado. Deixei para o lado a obra máxima de Asimov, segundo vários entendidos, que é a trilogia Fundação, composta por pelos livros Fundação, Fundação e Império e Segunda Fundação – nos anos 1.970/1.980 o bom doutor publicou prequelas e sequências da obra, além de permitir que outros autores escrevessem contos ambientados neste universo, destacando o autor Orson Scott Card (Ender's Game, Ultimate Iron Man).

Iniciada em 1942 e concluída em 1953, esta obra é um exemplo do que se convencionou chamar Space Opera – uma novela que se ambienta no espaço. Todos os elementos estão presentes em Fundação: cenários grandiosos, ação envolvente, diversos personagens atuando num amplo espectro do tempo. Seu desenvolvimento é derivado das histórias pulps de faroeste e aventuras marítimas (notadamente de piratas)”.¹

Inspirada em A história do declínio e queda do Império Romano do historiador inglês Edward Gibbon a história navega pelas eras ao futuro quando um psico-historiador chamado Hari Seldon prevê que o Império irá cair. Tencionando reduzir o tempo de barbarismo após a queda, Seldon cria um programa que permitirá fazer com que 30 mil anos de barbárie sejam apenas mil! Para tanto ele e milhares de cientista se afastam do coração do Império e vão para o distante planeta Terminus onde criam a Fundação – realizando o mesmo feito no outro extremo do universo, com uma segunda Fundação.

Poderia um psico-historiador conseguir prever as milhares de equações e todas as tramas políticas, religiosas e sociais ao longo de centenas de anos? Poderia ele aconselhar os dirigentes futuros das organizações sem um curso, sem indicar um caminho, apenas deixando a lógica dos eventos tomar posse dos acontecimentos.

Estaria Seldon certo ou poderia ser falhado e desconsiderado alguma variável em suas equações?

A apresentação da história para o leitor é feita em três livros que obedecem à uma revisão dos anos 1.980, onde Asimov altera datas de modo a criar uma linha cronológica para seu universo (ao qual chamaremos de Asimoverso a partir de agora), unificando todas as obras, especialmente Os Robôs, que a partir de então fazem parte da mesma cronologia de Fundação. Como Robôs Fundação é composta não por romances – aqui no contexto de narrativa longa – mas sim por contos, noveletas e novelas que permitem aproveitar qualquer tempinho para a leitura... e se deliciar.

Altamente indicado para fãs de sci-fi, mas ainda mais indicados para pessoas fascinadas pela história, pela religião, pela política e pela maneira como isto tudo se funde e altera nossas vidas.

---
¹: Nota à edição brasileira, Fundação, Editora Aleph, 2ª reimpressão, 2010.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…