Pular para o conteúdo principal

Doctor Who, Série de 2.005, 1ª temporada, 1ª parte


Doctor Who, Série de 2.005, 1ª temporada, 1ª parte

Em 2.005 Doctor Who retornou à TV inglesa, desta vez interpretado por Christopher Eccleston e com a atriz e cantora pop Billie Piper interpretando Rose Tyler, que seria a ajudante e par romântico platônico do Doutor nas duas primeiras temporadas.

O tom geral da série beira o absurdo e não tem o requinte das produções norte-americanas de ficção científica, mas funciona bem pois chega a ser surreal. O Doutor é o último senhor do tempo e viaja usando uma cabina de polícia azul típica dos anos 1.960, chamada TARDIS, que lhe permite trafegar no tempo/espaço.

A série de 2.005 continua em produção e atualmente o Doutor é interpretado por Matt Smith que recebeu o Screen Awards 2011 de melhor ator há algumas semanas.


1º episódio: Rose O Doutor tem que impedir uma invasão de seres de plástico inteligentes e cruza seu caminho com a vendedora Rose, que trabalha em uma loja onde manequins ganham vida.
2º episódio: The end of the world – O Doutor leva a jovem Rose Tyler, sua acompanhante desde o final do episódio anterior, até o último dia do sistema solar no ano 5,5 milhões quando o Sol se expande e se depara com um mistério que põe em risco as formas de vida que desejam assistir ao espetáculo da destruição do planeta (não se preocupe, a Terra é desabitada há séculos).
3º episódio: The Unquiet dead – Indo até 1.869, o Doutor e Rose encontram com Charles Dickens e um mistério de mortos que voltam a vida e seres de forma gasosa. Apesar de um início clichê, o episódio caminha bem nos dois terços finais e chega a surpreender.
4º episódio: Aliens of London, parte 1 – Episódio em duas partes. O Doutor e Rose retornam ao presente e descobrem que retornaram doze meses depois da saída. Em seguida uma nave cai em Londres, destruindo parcialmente o Big Bang e, ao investigar, o Doutor descobre que ela decolou de nosso próprio planeta. Enquanto isso a raça responsável usa a pele de importantes políticos ingleses.
5º episódio: World War Three, parte 2 – Conclusão da trama onde a família de alienígenas Slitheen deseja destruir a Terra para vender os pedaços radiativos para outras raças como combustível. Participação da deputada Harriet Jones, que num futuro provável se tornará três vezes primeiro ministro da Inglaterra, levando o país para uma nova era de ouro.
Rose novamente repensa sua decisão de seguir viagem com o Doutor, mas decide segui-lo.






Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…