Pular para o conteúdo principal

Vertigo #23 nas bancas!


Já está disponível a Vertigo #23 (Panini Comics, R$ 9,90, 5 histórias) que traz Hellblazer #197 e a primeira parte de Via Crúcis de Mike Carey e Marcelo Frusin, continuando a narrativa do Constantine desmemoriado. Somando o tempo da Pixel Magazine e o tempo de Hellblazer temos, graças aos encadernados, um pouco mais de cinco anos de publicações da série sem nada de novo. O arco atual, onde após um confronto com a Besta Fera (lembrando portanto, O gótico americano) John fica desmemoriado lembra um arco semelhante na fase de Garth Ennis séculos atrás. Ou seja, é bom para recém-chegados, mas os velhos fãs vão sentir gosto de café requentado.

Joe the barbarian # 03 de Grant Morrison e Sean Murphy (responsável pela capa da Vertigo #23, numa variante da capa da história seguinte) não é uma série de terror. É fantasia envolvendo o universo próprio de uma criança. Em alguns momentos parece uma guerra de egos entre Morrison e Mark Millar, autor de uma narrativa semelhante na Marvel, a série 1985, já publicada pela Panini.

American Vampire #14 de Scott Snyder (The New 52: Batman) e Rafael Albuquerque com a segunda parte de Guerra Fantasma convence. Uma equipe militar dos Vassalos da Estrela da Manhã, durante a Segunda Guerra, chegam em uma ilha dominada por uma nova mutação vampírica. Entre os soldados está o companheiro de Pearl Jones, Henry, e sem que ele saiba o próprio vampiro americano em pessoa: Skinner Sweet. Quais seriam os interesses de Sweet nesta mutação?

Scalped #23 mostra uma edição concentrado em Dino Urso Pobre e não deixa a peteca cair em sequer um quadro ou cenário ou um diálogo. É a terceira parte de A fúria em suas entranhas com roteiro de Jason Aaron e arte RM Guéra, que mostra que escrever história em quadrinhos não tem que ficar limitado a nada e a ninguém. Se Kurt Busiek e Frank Miller tem suas cidades, Aaron necessita apenas de uma reserva indígena para narrar uma trama que está em um constante crescendo.

A edição termina com House of Mystery #19 com a quarta parte de A beleza da decadência de Matthew Sturges, Luca Rossi e José Marzán/Joe Rubinstein.

Novamente acho que 2/5 da revista (American Vampire e Scalped) salvam automaticamente a publicação. Joe the barbarian é uma boa aposta para uma leitura mais atenta quando estiver completa e dois 2/5 (Hellblazer e House of Mystery) poderia passar por um processo diferenciado de publicação. O material publicado até agora não me convenceu da qualidade desta séries.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…