Pular para o conteúdo principal

Ender's Game, Orson Scott Card

O jogo do exterminador (Aleph, 1990, ficção científica) de Orson Scott Card. Meu primeiro contato com o autor veio na saudosa Isaac Asimov Science Fiction Magazine – Brasil quando li Dogwalker, uma noveleta que trouxe um detalhe especial no quê se refere a inserir senhas alheias e o comportamento dos computadores para analisar isto – a partir de então sempre que penso em um conto em que alguém tenha que invadir uma estação secreta lembro da noveleta. 

Dias depois li a novela “O jogo do exterminador” (Ender’s game) ao qual o romance homônimo é uma extensão. Devo confessar que acostumado com o estilo Isaac Asimov de narrar ficção científica, prefiro o conto ao romance, ainda que para minha surpresa tenha lido o romance de um fôlego só – tempo ocioso diriam alguns. Ambos são superiores à média, no entanto.

A trama trata sobre uma sociedade que treina crianças para impedir uma terceira investida de uma raça alienígena.

O personagem título (Ender Wiggin) é o personagem central e passa um longo treinamento que o ensina estratégias e a habilidade de comando, enquanto se isola e vive em conflito entre um irmão extremamente temperamental e uma irmã terna. Ele é um meio termo, capaz de viver em ambos os mundos.

Certamente o foco é a perda da infância, a imposição de regras alheias, o conflito entre o mundo simples que as crianças deveriam ter contato e acima de tudo uma fábula sobre o amadurecimento repentino e violento dos personagens, que a partir da entrada de Ender na academia passa a recrutar crianças ainda mais jovens.

Será que diante do extermínio da humanidade temos o direito de sacrificar a infância de uma geração de crianças?

E que legado esta geração deixaria para a humanidade?

Poderia o extermínio de toda uma espécie ser, de algum modo, ético?

Apesar do pouco sucesso da ficção científica no Brasil (notem o breve circuito que fez o excelente Star Trek, recente), pode-se encontrar pelos menos a seqüência deste romance (O orador dos mortos) e uma versão do roteiro de um filme de James Cameron (The Abyss), escritos por Card.

Além disso temos a excepcional visão de seu Ultimate Iron Man (publicado no lançamento do filme Homem de Ferro) onde novamente ele se depara com uma criança superdotada. Bem mais interessante que a versão “padrão” do personagem, seu Anthony tem conceitos que somente um escritor de sci-fi poderia fornecer a um personagem de quadrinhos.


Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!