Pular para o conteúdo principal

Ender's Game, Orson Scott Card

O jogo do exterminador (Aleph, 1990, ficção científica) de Orson Scott Card. Meu primeiro contato com o autor veio na saudosa Isaac Asimov Science Fiction Magazine – Brasil quando li Dogwalker, uma noveleta que trouxe um detalhe especial no quê se refere a inserir senhas alheias e o comportamento dos computadores para analisar isto – a partir de então sempre que penso em um conto em que alguém tenha que invadir uma estação secreta lembro da noveleta. 

Dias depois li a novela “O jogo do exterminador” (Ender’s game) ao qual o romance homônimo é uma extensão. Devo confessar que acostumado com o estilo Isaac Asimov de narrar ficção científica, prefiro o conto ao romance, ainda que para minha surpresa tenha lido o romance de um fôlego só – tempo ocioso diriam alguns. Ambos são superiores à média, no entanto.

A trama trata sobre uma sociedade que treina crianças para impedir uma terceira investida de uma raça alienígena.

O personagem título (Ender Wiggin) é o personagem central e passa um longo treinamento que o ensina estratégias e a habilidade de comando, enquanto se isola e vive em conflito entre um irmão extremamente temperamental e uma irmã terna. Ele é um meio termo, capaz de viver em ambos os mundos.

Certamente o foco é a perda da infância, a imposição de regras alheias, o conflito entre o mundo simples que as crianças deveriam ter contato e acima de tudo uma fábula sobre o amadurecimento repentino e violento dos personagens, que a partir da entrada de Ender na academia passa a recrutar crianças ainda mais jovens.

Será que diante do extermínio da humanidade temos o direito de sacrificar a infância de uma geração de crianças?

E que legado esta geração deixaria para a humanidade?

Poderia o extermínio de toda uma espécie ser, de algum modo, ético?

Apesar do pouco sucesso da ficção científica no Brasil (notem o breve circuito que fez o excelente Star Trek, recente), pode-se encontrar pelos menos a seqüência deste romance (O orador dos mortos) e uma versão do roteiro de um filme de James Cameron (The Abyss), escritos por Card.

Além disso temos a excepcional visão de seu Ultimate Iron Man (publicado no lançamento do filme Homem de Ferro) onde novamente ele se depara com uma criança superdotada. Bem mais interessante que a versão “padrão” do personagem, seu Anthony tem conceitos que somente um escritor de sci-fi poderia fornecer a um personagem de quadrinhos.


Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…