Pular para o conteúdo principal

Capitão América: A escolha

Há alguns dias, pouco antes do lançamento oficial do filme Captain America (2011), encontrei esta simpática edição em capa dura. Ela faz parte de uma série em capa dura da Panini que apresentou os personagens Marvel em história com pouco compromisso com a cronologia.

Na trama um soldado em campo de batalha tem lapsos onde incorpora o “espírito” do Capitão América que está definhando em um laboratório. Apontando um novo poder, o velho herói inspira o soldado, o quê ora lhe dá poderes e reflexos extraordinários, ora simplesmente inspira-lhe para fazer atos grandiosos. O soldado à vezes conversa com o Capitão o quê é tido como síndromes de guerra e loucura parcial, sugerindo ao leitor outras interpretações.

O texto de David Morrell e a arte de Mitch Breitweiser não fazem feito, mas realmente esta inspiração já foi melhor trabalhada com personagens como Tio Sam. A apresentação da série, com seis histórias (cerca de 130 páginas) com capa dura por R$ 22,90 é um acerto da Panini, que costuma afastar o público das obras de capa dura em função do preço; vide os casos de Crises em Múltiplas Terras, LJA de Grant Morrison e Starman de James Robinson, todos em capa dura, mas com preço que afasta o leitor.

A solução da série, ou seja, a escolha do título é um tanto simplista, mas funciona graças ao clima de saudosismo que a arte provoca e o afastamento da cronologia padrão da Marvel Comics.

Uma boa dica.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…