Pular para o conteúdo principal

Secret Warriors, vol 1: Nick Fury, agent of nothing

Nick Fury é a quintessência do agente secreto: um homem perdido em suas guerras e que não teve tempo de viver, sempre procurando a próxima ameaça para enfrentar.

Desaparecido desde a série Guerra Secreta, Nick perdeu seu posto como comandante da maior agência de espionagem e contra-espionagem do mundo e viu-se sendo substituído por Maria Hill, depois por Tony Stark e então após Invasão Secreta, pela fenômeno da mída, o empresário Norman Osborn.

Nick estava envelhecido, esquecido e tinha que treinar um grupo de jovens, os tais Guerreiros Secretos do título da série.

Composto por Yo-Yo Rodriguez (Estilingue), Sebastian Druid (Druida), Jerry Sledge (Muralha), JT James (Infernal) e comandado em campo por Daisy Johnson (Tremor), devo confessar que não apostaria minhas fichas aí.


No início deste arco publicado na série americana Secret Warriors #1-6 (e traduzidos por aqui em Reinado Sombrio #2-4 da Panini Comics), o velho espião supremo descobre que a S.H.I.E.L.D. agora desmantelada pelo governo americano e transmutado no MARTELO (HAMMER, no original) sob direção de Norman Osborn, sempre foi um braço da H.I.D.R.A., a organização terrorista que foi o alvo mais comum de grande parte das histórias clássicas de Fury.

Nick, que já treinava uma nova geração de espiões adolescentes com super-poderes e usava bases secretas da SHIELD, decide restabelecer o financiamento ao Comando Selvagem para reestruturarem uma linha de ataque à HIDRA, iniciando com o roubo de porta-aviões da sua ex-companhia.

Ao mesmo tempo o Barão Strucker, também reestrutura a HIDRA – que foi invadida por agentes skrull em consequência do evento Invasão Secreta – e cria um conselho de liderança formado por ele, Kraken, Madame Hidra, Colmeia (um ser cujo poder que jogar polvos para controle mental o faz lembrar em muito o Starro da DC Comics), Víbora e o ressurreto Gorgon, um exímio espadachim. Note que Víbora, sempre relacionada como a Madame Hidra, não é a líder feminina da organização.

Minha primeira leitura, rápida, fez-me encontrar mais uma série semi-mutante com jovens, poderes e tentativa de usar as narrativas próprias da Guerra Fria como pano de fundo. Confundi-me. O roteiro de Brian Michael Bendis e Jonathan Hickman, o argumento de Hickman e a arte de Stefano Caselli conseguem criar uma boa trama de espionagem cheia de preparação de cenários para arcos seguintes e boas reviravoltas, como a identidade da Madame Hidra.

Vale a pena ler, especialmente porque o arco foi publicado em apenas três edições da excelente série Reinado Sombrio.

Procure no seu sebo.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…