Pular para o conteúdo principal

DC faz reboot... novamente!, Parte 1: O passado é prólogo

A DC Comics é uma editora de quadrinhos, sediada nos EUA e desde os anos 1.970 pertence ao conglomerado Warner Bros, que hoje é parte da AOL-Time-Warner.

Ano passado a DC completou 75 anos de história e seus personagens são bastante conhecidos. Entre eles estão Superman, Batman & Robin, Mulher Maravilha, Lanterna Verde, Liga da Justiça, Turma titã/Novos Titãs e Aquaman.


Como seus personagens originalmente foram criados em 1.938/1.941 sempre houve vários processos para adaptá-los há um novo contexto. Na década de 1.950, conhecida como Era de Prata a DC relançou seus heróis, exceto aqueles que nunca tiveram seus títulos cancelados como Superman, Batman e Mulher Maravilha, e deu novas origens para eles. Flash, Gavião Negro, Lanterna Verde e Átomo eram bem distintos de suas versões originais.

Anos mais tarde uma história introduziu o conceito de que o universo criado em 38/41 seria a Terra 2 e o universo criado em 50 seria a Terra 1. Com o sucesso da fórmula, vários universos alternativos vieram em sequência.

Para enfrentar as maiores ameaças às Terras 1 e 2 eram convocadas as maiores equipes, a Liga da Justiça e Sociedade da Justiça, respectivamente. Estes eventos ou encontros anuais, geralmente publicados no verão norte-americano, tinham vários títulos, mas ficaram conhecidos como “Crises”.

Em 1.985 numa estratégia pensada para gerar comoção entre os fãs e rejuvenescer seu universo, a DC criou um evento chamado Crise nas Infinitas Terras e abandonou todo o histórico dos seus personagens, recriando o universo DC a partir de zero em janeiro de 1.987.

Nem todos os personagens tiveram sua origem recontada, especialmente os mais recentes como Gladiador Dourado. Mesmo o Superman tinha tido sua nova origem apresentada no fim de 1.986 e novamente algumas séries não foram interrompidas.

Já outros mais antigos como Sociedade da Justiça, Gavião Negro e Poderosa tiveram diversas tentativas para reajustar suas histórias com o novo contexto. Para se ter uma ideia 20 anos depois da Crise ainda estávamos vendo uma origem “definitiva” para a Poderosa.

A partir de Crise nas Infinitas Terras a DC Comics iniciou uma série de eventos anuais. Em 1.994 criou Zero Hora que fez a primeira correção geral das histórias após Crise. Não era um reboot, mas algo como um “semi-boot”.

Depois em 2005 e em 2007 a editora tentou novamente a correção ampla, com resultados diversos.

Agora a editora anuncia um novo evento, chamado Flashpoint, e após a ele o relançamento de suas séries mensais como um reboot do Universo DC.

Novamente é um plano arriscado!

A Marvel não faz reboot... faz esquecimento!

Brian Michael Bendis (em Novos Vingadores e Demolidor) e Bruce Jones (em Hulk) interpretam o passado como querem e alteram a ordem dos eventos como desejam (mentira!? Vejam Vingadores: Illuminati). Destes dois que citei Bendis se deu melhor e tornou-se o escritor de referência da editora, escrevendo eventos após eventos.

Mas nada altera o fato que a editora faz reboots mascarados como “uma nova perspectiva para a história”. Se isso não for suficiente para você a Marvel tem ainda o universo Marvel Ultimate e agora os universos “Forever”, onde um escritor de grande envolvimento com a equipe pode continuar a escrever um título abandonando toda a cronologia posterior à sua passagem.

Reboot há em tudo quanto é lugar. Resta saber se este da DC Comics está sendo feito da maneira correta e no momento ideal.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…