Pular para o conteúdo principal

Legion of Super-Heroes volume 3 (1,984): Everywhere a villain

Escrito por Paul Levitz e Keith Giffen, com lápis de Giffen que a partir da terceira edição fica responsável apenas pelos esboços, deixando o cargo de desenhista para Steve Lightle e com finais de Larry Mahlstedt a nova série começa com uma reestruturação da Legião dos Super-Heróis e dando espaço para um pouco de xenofobia – hoje tão comum na atual série.

Em 2984 A.D. os humanos temem sutilmente os durlanianos (a Camaleoa é casada com o Colossal e sofre as consequências, especialmente por que o casal se apaixonou quando ela o estava espionando), os daxamitas não aceitam bem pessoas de outras culturas (Geoff Johns aproveitou-se disso para construir a história de um dos personagens da Tropa dos Lanternas Verdes na atual cronologia) e o povo de Imsk tem fortes tendências separatistas. Para piorar alguns membros da sociedade daxamita adoram a Darkseid e a possibilidade de acesso a poder que ele permitiu.

Mas a trama principal do primeiro arco (#1, ago-1984 a #5) é o retorno da Legião dos Super-Vilões comandada por Nemesis Kid e Lightning Lord. Eles roubam esferas de fusão e parte da tela de polímero (que cobre a Terra) para sequestrar completamente o planeta Orando – de onde Projecta é a rainha e Karate Kid, seu consorte.

Para conseguir salvar Orando, após uma luta violenta com Nemesis Kid, Karate Kid sacrifica-se para destruir o aparato dos vilões – e continua morto até hoje! - e assim Projecta rompe com os ideais da equipe e após um novo round contra Nemesis derrota-o e quebra seu pescoço. Como isso acontece nas páginas iniciais, segue-se uma batalha entre Ayla e Mekt que ainda receberia um prólogo na edição seguinte (#6).

Na conclusão da trama da Legião dos Super-Vilões, Projecta decide abandonar a Legião e os costumes alheios a seu povo e fica em Orando, deixando os antigos colegas irem.

Com várias sequências de ação bem dosadas com as dezenas de sub-plots destaca os seguintes:
* graças a um ataque de Lightning Lord, sua irmã, Ayla volta a ter poderes elétricos;
* Saturn Girl entra em trabalho de parto ao final da edição #2 e a trama é estendida em Legion of Super-Heroes Annual #02 – a trama deste anual foi publicada no Brasil pela Panini no encadernado A saga das trevas eternas.
* A mãe de Colossal desiste da presidência da Terra e volta a ser professora. Surge um temor de que a nova previdência não seja simpática à equipe.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…