Pular para o conteúdo principal

Matar ou não matar uma questão que permeia os quadrinhos!, II

Nesta jogada a DC inicia a repaginação do Arqueiro Verde, que passa por uma edição da série americana Justice League of America, uma edição especial da série Justice League of America e duas edições da série Green Arrow volume 4 (o segundo nome para a série que começou como Green Arrow/Black Canary).

Estas quatro edições foram publicadas no Brasil em Liga da Justiça #100 da Panini e mostram que a equipe de heróis percebe a culpa de Oliver e não demora a descobrir o corpo de Prometheus e responsabilizá-lo. Tencionando vingar-se de outro vilão que ativou a bomba e agiu em parceria com o primeiro, Queen foge nos escombros da cidade e engana durante algum tempo a Canário, o Lanterna Verde Hal Jordan e o Flash Barry Allen, até que o pano cai, ele é preso, tem exposto sua identidade publicamente e vai a julgamento.

O julgamento é rápido e o júri popular o inocenta!!

Mas o juiz, talvez corrupto e desejando vingança do período em que Queen foi prefeito, o obriga a abandonar a cidade!

Termina o ciclo e reinicia-se a série começando então Green Arrow volume 5 junto com O dia mais claro #01, onde Queen passa a ser o protetor da floresta que surge no centro destruído de Star City – por sinal em formato de estrela.

Afastado novamente dos amigos, como no início de Green Arrow volume 2 de Mike Grell e posando novamente como caçador urbano os escritores da DC tratam o anti-herói como nos gostaríamos de tratar aqueles que nos livrem de cânceres de nossa sociedade. É um reflexo do ser humano dos tempos atuais. Se alguém matou o traficante do bairro, o estuprador, o assassino de massas nos apenas olhamos para lado e o perdoamos. Logo esta pessoa terá nosso aval para matar o alcoólatra, o incômodo, aquele que não vota conosco.

O silêncio diante dos atos de Queen mostra apenas que a sociedade mudou e nem sempre para melhor.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…