Pular para o conteúdo principal

Matar ou não matar uma questão que permeia os quadrinhos!

Batman foi a primeira tentativa de produzir algo mais parecido com o conteúdo das tiras de jornais e frequentemente matava seus vilões. Superman também o fazia em suas primeiras histórias. Espectro idem. Não eram “heróis” eram “mystery men”, justiceiros, vigilantes uniformizados agindo à margem da lei.

Mas também era 1.938, 39, 40 e os quadrinhos não sabiam quem queriam como público ideal. Queriam que as crianças comprassem e não raro erravam no tom. Mas queriam que o público adulto que acompanhava as tiras de jornais também comprassem.

Quase oitenta anos depois apenas uma parcela dos vigilantes mata e a DC Comics decide reajustar novamente a visão que tem que um de seus personagens clássicos.

Diferente de arrancar um braço, matar ou quebrar a espinha JT Krull e James Robinson, o primeiro autor da fase final da série Green Arrow/Black Canary e o segundo autor da série Justice League: Cry for Justice, decidiram mostrar que Oliver Queen, o Arqueiro Verde poderia romper com o paradigma de que um herói não deve matar.

Em Cry for Justice um vilão terciário, quando no máximo, chamado Prometheus, arma um complexo esquema que põe bombas em várias cidades protegidas por heróis. Uma das bombas é ativada destruindo o centro de Star City – onde vive Queen – e vitimando dezenas de milhares de pessoas além da “neta” dela, filha de um garoto que ele criou, Roy (o Ricardito, o Arsenal, o Arqueiro Vermelho). Como desgraça pouca é bobagem, Roy tem o braço arracando pela vilão, ficando aleijado.

Queen não titubeia. Encontra Prometheus e o mata!

Simples! Uma flecha na cabeça e Prometheus está morto!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…