Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: Universo DC #10

Toda semana chega às bancas uma tonelada de edições novas e geralmente oferecem pouco ao leitor.

Universo DC é assim.

De excelente tem Legado parte 2 de 10, com o segundo número voltado para a Era de Ouro (DC Universe: Legacies #02) por Len Wein, Andy Kubert e Joe Kubert.

A série continua sua missão nada simples de construir uma linha narrativa da história da DC Comics na Terra principal da editora. É um trabalho hercúleo e Wein segue à risca o exemplo de Kurt Busiek em Marvels: cria um personagem para que nos identifiquemos e vemos o surgimento do universo de heróis sob a visão dele. Não é novidade, mas funciona e bem.

De bom tem Supergirl #50 por Sterling Gates, Jamal Igle e Jon Sibal & Mark McKenna, que mostra o final da longa trama com Lana Lang – ela estaria com câncer – e o ataque da Rainha dos Insetos, uma personagem clássica com nova roupagem. Infelizmente marca também o retorno da Superwoman, mostrando que sempre poderemos ver o confronto entre a super-moça e a super-mulher, como se isto fosse desejável.

Se resto a edição traz World’s Finest #02 (por Gates, Ramon F. Bachs e Rodney Ramos) com a união de Guardião e do atual Robin (Damian Head Wayne), Wonder Woman #42 (por Gail Simone, Nicola Soctt & Fernando Dagnino e Doug Hazlewood) com uma trama que faz referência a uma ameaça alienígena e reconstrução do Departamento de Assunto Meta-Humanos e à vinda da tal ameaça para a Terra. Segue então para Superman/Batman #68 (de Joe Casey, Ardian Syaf e Vicente Cifuentes & David Enebral) que continua apresentando história em outro momento cronológico já que no atual momento Superman está em Novo Krypton e Batman está “desaparecido, provavelmente morto”.

Nos destaques do mês – lá na última página – o anúncio da edição especial de Sociedade da Justiça (anunciando os dois arcos de Bill Willingham), o anúncio de mais um releitura para a origem de Coringa em Batman Anual #03 (para quê? “O homem que ri” é perfeita!) e que Liga da Justiça a partir do número 101 terá 148 páginas e trará Flash (a atual série mensal), a minissérie A ascensão de Arsenal (trazendo as consequência dos atos de Prometeus para Roy Harper), LJA: Geração Perdida e é claro o cross-over Liga da Justiça/Sociedade da Justiça de 2010.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…