Pular para o conteúdo principal

O cerco: O passado é prólogo

No final dos anos 1.990 em consequência da “Saga do CloneNorman Osborn, vilão do Homem-Aranha retornou dos mortos e passou a atormentar o herói e seus personagens em vários níveis. Nesta fase, assim como na Divina Concorrente onde Lex Luthor havia comprado o Planeta Diário, Osborn comprou o Clarim Diário. Quem imitou quem já não lembro.

A fase de Howard Mackie e seus colaboradores acabou e chegou o autor de TV JM Straczynski (Babylon 5) que levou a série em outra direção durante anos antes de retomar Osborn como vilão. No entanto, não foi nas séries do Homem-Aranha que aconteceu o mais importante. Pelo menos não nas séries do Aranha da continuidade padrão da editora, chamada de Universo 616.

Isto exige uma explicação mais detalhada.

Em 2.001 a Marvel lançou um selo chamado “Ultimate Marvel” que reapresentava seus personagens para uma nova audiência. Até 2.006 este selo foi um grande sucesso da indústria com tiragens superiores a 100 mil cópias. O escritor desta série, um então razoável desconhecido chamado Brian Michael Bendis, tornou-se um escritor “quente” e assumiu a direção de vários títulos da Marvel, em especial Demolidor e Os Vingadores (a partir de 2.004/05).

Bendis tornou Osborn vilão principal de grande parte dos arcos iniciais da série “Ultimate Spider-Man”. Se a versão da continuidade normal também usasse o mesmo vilão seria cansativo, seria super-exposição especialmente por que o sujeito também foi o vilão do primeiro filme do personagem dirigido por Sam Raimi.

Bendis escreveu uma série chamada Alias onde nos apresentou à Jessica Jones, que no final da série depois de ter tido um rápido flerte com Scott Lang (o Homem-Formiga), namorou e engravidou de Luke Cage.

Após a conclusão de Alias, a série recebeu uma continuação chamada The Pulse (2003/04), mais vinculada ao Universo Marvel; onde no arco inicial, depois de anos finalmente conseguiu provar publicamente que Osborn era o vilão Duende Verde. Um livro escrito por Ben Urich (personagem recorrente em Homem-Aranha, Demolidor e em tramas do Clarim Diário) finalmente foi liberado. Norman Osborn finalmente foi preso para responder por seus crimes e continuou a manter a identidade do Aranha em segredo.

Quando relançou a série Os Vingadores sob o título Novos Vingadores, Bendis plantou várias sementes daquilo que seria a Guerra Civil e a Invasão Secreta. Uma das pessoas recrutadas para a equipe foi Luke Cage, já morando com Jessica Jones. Meses depois o bebê nasceria e eles casariam-se. A popularidade do casal e especialmente de Luke aumentou bastante.

A Invasão Secreta foi uma invasão em massa da Terra feita pelo Império Skrull (que tinha sido realocado a vilão de primeira grandeza graças a outra série da linha Ultimate). Invasões em massa existem nos quadrinhos desde a primeiro fase de revistas de sci-fi nos anos 1.950; mas a mais representativa seria a invasão da Terra por nove raças alienígenas em busca do segredo dos meta-humanos feita no fim dos anos 1.980 na DC Comics e chamada Invasão!

Apesar de ganhar a guerra Tony Stark (o Homem de Ferro) caiu em desgraça. O personagem vinha em uma linha ascendente desde antes da Guerra Civil e a exposição do filme ajudou a sedimentar uma popularidade. Com o desaparecimento de Nick Fury (em função de Guerra Secreta, também escrita por Bendis), Stark é escolhido como diretor da SHIELD, cargo que perde depois que “permite” a invasão.

Uma série de manipulações já tinha posto Osborn à frente de uma divisão de vilões mercenários a serviço do estado norte-americano, os Thunderbolts. Novamente vemos que o conceito de usar vilão como bucha de canhão já tinha tido maior sucesso na DC Comics com o Esquadrão Suicida. Quando Kurt Busiek criou a série Thunderbolts o tom era de vilões em redenção e não de vilões fazendo o trabalho sujo do estado.

Osborn conseguiu se reprojetar na mídia depois que foi um dos líderes da derrota dos skrulls, recebeu perdão definitivo e um cargo na liderança da organização SHIELD, uma organização de espionagem, contra espionagem e contra insurgências. Para deixar claro sua marca, ele alterou o nome da organização para MARTELO. Demonstrava assim a sua visão do mundo trocando o escudo (SHIELD) algo defensivo para algum capaz de causar dano, no caso um martelo (HAMMER).

Começou o Reinado Sombrio.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…