Pular para o conteúdo principal

Hellblazer e a desimportância dos fatos

Ao comprar a edição Vertigo #15 fiquei surpreso de ver a popularidade de Escalpo refletida na lista das séries preferidas do ano passado. Mesmo depois de quinze edições a série continuar a impactar e o arco “Mães mortas” promete.

O restante da revista é que vira um série problema. Vampiro Americano não é realmente inovador e só deve assombrar quem tá acostumado com o vampiros da cine-série Eclipse. Paciência.

Basta dar uma olhada em Black Kiss para ver que a série trilha caminhos já trilhados. Some a isto a experiência dos leitores mais maduros com “Tomb of Dracula” (Marvel) ou “I... vampire!” (DC) e teremos uma série que ainda precisa provar a que veio.

O mesmo para Casa dos Mistérios e Vikings. Ambas poderão render bons produtos em alguns meses. Vikings, em geral muito boa, apresenta um arco com uma arte que evoca o material de espada e magia da Marvel Comics. Às vezes quando foleio as páginas penso em Conan Rei, mas advirto que o roteiro é bom; apenas com a mudança do desenhista faltou “aquele” padrão.

O problema da edição é Hellblazer e John Constantine que descobrindo um ataque místico à Terra quer uma reunião de magos para enfrentar a tal ameaça! Bah! Ninguém leu “Gótico americano”? Mesmo um dos magos lembra a John que suas reuniões terminam mal!

E pior! Os tais magos ou feiticeiros são personagens criados por Mike Carey para o arco e ninguém nunca ouviu falar deles, deferente em muito da reunião de “Gótico americano” promovida por Alan Moore & cia.

Hellblazer existe desde 1.987 e é a série Vertigo de maior numeração. Seu auge são vários arcos de Jamie Delano e Garth Ennis, mas depois de quase 24 anos e quase trezentos números alguém se importa com o destino do mago inglês?

Nem mesmo quando do lançamento do filme (“Constantine”) a série a superou a média de doze mil solicitações nos EUA. Talvez o melhor para John seja o que fazem com Fábulas: lançar o material em encadernados e dar o espaço para outra série em Vertigo.

Veremos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…