Pular para o conteúdo principal

Steampunk e memórias

Há alguns anos meu grande amigo DJ Yuga enviou para mim nos cafundos das Minas Gerais um folhetinho da DC Comics anunciando a Steampunk uma série de Joe Kelly e Chris Bachalo.

Não.

Brinco.

Ele enviou mais coisas e entre elas estava o folheto.

Ainda tenho o folheto e nunca li a história, mas o quê gostei mesmo foi da breve definição do adjetivo: sub-gênero de literatura de ficção-científica que se passa nos primórdios da Revolução Industrial.

Eventualmente a palavra “steampunk” apareceu em algum texto nos últimos quinze anos desde quando Yuga enviou-me o pacote. Por coincidência afastei-me da ficção científica exatamente neste período. Se antes tinha adoração do Star Trek (Jornada nas Estrelas), percebi que somente a série Deep Space 9 (um sub-produto da franquia) era merecedora de minha audiência. Se antes tinha saudosismo por Star Wars (Guerra nas Estrelas), a nova trilogia e as séries de animação provam que era melhor quando sentia saudades – no entanto um aviso: assim que começar a série live action da franquia vou acompanhar cada episódio.

Quando Yuga foi embora eu devorada as obras de contos de Isaac Asimov e especialmente alguns números de sua revista de ficção científica. Foi lá que li Dogwalker e O jogo do exterminador – que décadas depois li a versão em livro do conto, aqui. Acompanhei vários romances de Star Trek publicados pela Aleph – acho que li uns dez – e diversas vezes procurei em biblioteca a primeira versão de Duna – ao qual já tinha assistido ao filme de David Lynch e uma das séries do Sy Fy Channel.

Com o fim do “Círculo do Livro” o contato com a literatura mingou. A Abril criou uma empresa de CD's – que também mingou – e esperei o auge da internet. Eventualmente tinha atenção novamente pelo gênero sci-fi e assistir duas séries que ficaram marcadas em mim: Babylon 5 e Battlestar Galactica.

Minha dose semanal de sci-fi estave garantida durante meses. Apesar de ter gostado do filme Stargate nunca de aproximei da franquia de séries homônima.

Redescobri o termo steampunk visitando estandes on-line de livros de editora especializadas em literatura sci-fi e fantástica. Tive reacesa a paixão quando descobri que “A princesa de Marte” de Edgar Rice Burroughs (autor de Tarzan) e “Duna” de Frank Herbert retornaram em novas traduções. Descobri que Júlio Verne (que já falei por aqui) era um dos precursores do gênero. Que ótimo! Tenho uns vinte livros dele em impressão recente para ler, o quê garante que eu não vá ter uma alergia respiratória. (Ainda que ler as edições mais antigas, empoieradas e envelhecidas fosse mais steampunk, por assim dizer) Isto sem contar que HG Wells, Edgar Allan Poe, Bram Stoker e Mary Shelley são autores “steampunk”. Certamente isso nos dá todo o direito de dizer que “A Liga Extraordinária” de Alan Moore & Kevin O'Neil é uma obra steampunk.

E não foi que na piauí #52 encontrei novamente o termo. Uma nota na seção “esquina” fala sobre um encontro e há o seguinte parágrafo:

(...) O termo steampunk surgiu na década de 1980, quando os escritores americanos Bruce Sterling e William Gibson lançaram livros de ficção científica ambientados no século XIX. Durante uma entrevista, quando lhe perguntaram se havia criado um novo subgênero literário, Sterling concordou e, de brincadeira, juntou as palavras steam (“vapor”) e punk (referência, no caso, ao cyberpunk, uma vertente nostálgica da ficção científica) (...)

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…