Pular para o conteúdo principal

The Walking Dead, 1ª temporada

The Walking Dead mostra a luta pela sobrevivência de um grupo de pessoas que vagam pelos arredores de Atlanta quando o mundo foi tomado por uma praga zumbificante.

O personagem central da trama é Rick Grimmes, policial que foi ferido semanas antes do início da praga e se recupera do coma para descobrir que a esposa (Lori) e filho (Carl) estão desaparecidos.

Fazendo amizade com Morgan – que sofre em romper com as memórias do passado, junto com seu filho – Rick vê-se ligado à um grupo de sobreviventes onde chamam a atenção o nipônico Glenn, o senhor Dale, as irmãs Andrea & Amy, o negro T-Dog, entre outros. Neste grupo encontra a família, protegida pelo companheiro Shane, que secretamente teve um romance com Lori enquanto se acreditava na morte de Rick.

Com o retorno de Grimmes, Lori culpa Shane – que ainda a deseja – de ter ocultado a possibilidade do marido estar vivo. Isso está mexendo com as decisões e sentimentos de Shane.

Sem comunicações como internet, imprensa, TV e telefonia, as aventuras são muito sobre conseguir armas para conter o avanço dos zumbis, conseguir alimentos e tentar encontrar um centro onde o governo federal ainda tenha poder de ação sobre a praga.

No último episódio da primeira temporada, este objetivo cai por terra ao encontrar o cientista Edwin Jenner, que impotente diante dos zumbis e incapaz de diagnosticar a razão e a cura, anuncia que não há esperanças e convoca-os para o suicídio, ao qual grande parte do grupo renega.

Sozinhos e com pouco combustível para continuar sua trajetória em veículos, o grupo, que agora segue a liderança de Rick – algo que aumenta o desconforto de Shane – está à deriva.

A série de TV tem criação, direção, produção executiva e os roteiros dos episódios (os que não foram escritos foram revisados) de Frank Darabont, cineasta responsável por The mist – adaptação de uma novela de Stephen King publicada no Brasil no livro Tripulação de Esqueletos.

A série de TV é uma adaptação de uma série em quadrinhos escrita por Robert Kirkman, que também é produtor e escritor (um episódio) da série.

Agrego aqui os links para os reviews dos episódios da primeira temporada da série de TV The Walking Dead.

Episódio 01 – aqui.
Episódio 02 – aqui.
Episódio 03 – aqui.
Episódio 04 – aqui.
Episódio 05 – aqui.
Episódio 06 – aqui.

A segunda temporada está programada para ter 13 episódios e iniciar a exibição em outubro de 2.011.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…