Pular para o conteúdo principal

E então, The Walking Dead 1x02: Guts

Frank Darabont, produtor e criador da série de TV The Walking Dead – criador, aí é figura de linguagem, já que ele adaptou os quadrinhos de Robert Kirkman – consegue dar à uma série de TV o ritmo cinematográfico.

Os personagens tem objetivos, sonhos, metas, desejos, ódio e amores.

O segundo episódio cobre o encontro de Rick com um grupo de sobreviventes, a fuga de um loja – lembrando a prisão em um shopping center em Dawn of the Dead – e a formação do caráter dos personagens.

Shane tem encontros com a esposa de Rick, onde não se deixa de notar a força. Lori, a esposa, tem um caso abastecido de culpa. O marido foi abandonado em coma, semanas antes, e agora ela tem que lidar com o macho alfa e satisfazê-lo sexualmente. Fica claro que ele sente culpa, mas que prefere o papel de fêmea principal do macho alfa.

No primeiro episódio, lá um diálogo entre Rick e Shane sobre as crises de Lori. Apesar de não conseguir controlar a própria esposa, Rick está muito longe do papel simplório de subalterno. Logo que se encontra com os sobreviventes e vê um valentão armado, Merle Dixon, toma um papel de liderança, ainda que saiba reconhecer a meritocracia e a experiência. Duas ou três seqüências depois vê que Glenn sabe o quê fala quando deseja explorar os esgotos e logo em seguida assume novamente o papel de liderança quando necessita de uma ideia esdrúxula para conseguir um meio de transporte.

A figura de Merle Dixon - um drogado arruaceiro pintado como nazista – chama a atenção pela construção de um vilão, algo que há pouco nos quadrinhos da série. Lá existe um vilão para cada arco. A caixa de materiais caída a poucos metros de Dixon, sugere que ele poderá sair do telhado e iniciar uma vingança contra este grupo de sobrevivente.

Se não funcionar na narrativa, a série de TV mostrará mais uma das difíceis escolhas que um ser humano tem que tomar diante de uma situação extrema.

Longe de construir algo cheio de excessos, Darabont cria um episódios crível e inteligente, estabelecendo as diretrizes que irão determinar o futuro e talvez o sucesso da série.

Inteligente!




































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…