Pular para o conteúdo principal

Legion of the Super-Heroes: Legion of the damned

Este arco transcorre em Legion of Super-Heroes v4 #122 (dez/99; 1999:24); Legionnaries #79 (jan/2000; 2000:01); LSH v4 #123 (jan/99; 2000:02) e termina em Legionnaries #80 (fev/2000; 2000:03) e já tem a equipe de produção “clássica” deste período de histórias da Legião dos Super-Heróis, ou seja Dan Abnett & Andy Lanning nos roteiros; Olivier Coipel no lápis e Andy Lanning novamente, só que na arte-final.

Coipel neste primeiro momento tem um traço que lembra em muitos momentos o mangá. Curiosamente, já que era uma tendência do mercado, ele se afasta desta influência e usará um traço fino e detalhista.

Contextualizando um pouco a coisa: a editora americana DC Comics tentou ousar no início do milênio (não do milênio, na verdade, mas isso é outra história; ou seja na passagem de 1.999 para 2.000) e rompeu com alguns conceitos estabelecidos.

Nada muito ousado fiel leitor, mas Metropolis foi atacado com um vírus Brainiac e evoluiu tecnologicamente mil anos e Lex Luthor foi eleito presidente dos EUA. Em Gotham City a situação era pior. Depois de um terremoto e fuga em massa, a cidade foi considerado “Terra de ninguém” e haveria uma longa história de reconquista dos territórios.

Outras modificações atingiram aos personagens da editora, algumas maiores e outras nem tanto.

A editora decidiu acolher o projeto da dupla Abnett & Lanning e dar um ponto final nas séries Legion of Super-Heroes volume 4 e Legionnaries. A primeira história da dupla foi uma apresentação curta dos vilões deste arco em Legion of Super-Heroes Secret Files & Origins de junho de 1.999.

Apesar da longa estrada iniciada em outubro de 1.994, durante o evento Zero Hora onde a editora zerou a cronologia da equipe, continuando com mês seguinte com a numeração (Legionnaries #19 e Legion of Super-Heroes #62) a DC Comics decidiu encerrar ambas as séries (Legionnaries no número #81 e Legion of Super-Heroes volume #4 no número #125) no arco seguinte.

Assim na primeira edição temos uma tensa perseguição de legionários convertidos pelos The Blight, à qual só escapa Chameleon que encontra o quarteto que foi ao espaço em Legionnaries #78 (veja aqui). A Terra está “suja” pela manifestação desta raça por aqui.

A segunda parte é a narrativa da chegada dos vilões à Terra e a preparação do, agora quinteto, para um ataque ao Stem (a base/prisão dos vilões). Dentro do Stem, Xs consegue resgatar Saturn Girl.

Com o resgate de Saturn Girl, logo temos o encontro dela e de Xs com o quinteto e a narrativa da origem dos Blight; mais uma história de um cientista que queria dominar todos os aspectos de sua vida e imortalidade e fez um “pacto” com a entropia. Após aprisionar um membro da blighthood, Brainiac 5 e Cosmic Boy armam um plano para conseguirem derrotá-los.

De posse da informação que Atrophos (o líder Blight) usa a energia da entidade DODA para corromper o mundo e pretende usar esta energia e a de M'Onel para consolidar a destruição da galáxia, Saturn Girl conseguem invadir a Stem e derrotá-lo.

Depois de três edições criando uma tensão sobre a conversão a trama se resolver muito facilmente.

Se fosse uma história de aventura na selva seria algo como jogue o vilão no rio e vamos comemorar. Os autores conseguem nos convencer da importância dos membros convertidos, das saudades, da fuga dos humanos, do aprisionamento e exploração dos heróis, em especial de M'Onel, mas diante de um vilão tão forte – como Darkseid no passado (aqui) e Ra's Al Ghul meses no futuro (aqui) – o quê realmente poderia fazer uma equipe que tem estabelecida em seu regimento a ordem de jamais matar?

Claro que, na falta de vilões apropriados, o fato de Atrophos cair na DODA pode simplesmente fazê-lo ressurgir no momento apropriado.

Veremos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…