Pular para o conteúdo principal

Sociedade da Justiça da América: Tempo Esgotado

Este arco que cobre as edições #65 e #66 da série mensal JSA tem texto de Geoff Johns, lápis de Don Kramer e finais de Keith Champagne. Seu foco é o resgate de Rick Tyler da dimensão congelada de tempo a que foi enviado quando estripado por Nêmesis.

Vamos à lição de casa. Anos atrás Extemporâneo matou o Homem-Hora durante o arco Zero Hora. Tempos depois surgiu um andróide feito com tecnologia de 70 séculos à frente que foi um dos fundadores da nova versão da SJA e inclusive teve série própria. Ao encerrar suas aventuras, o andróide deu de presente a Rick a possibilidade de passar uma hora com o pai. Para tanto, resgatou o Homem-Hora original segundos antes da morte e o enviou para uma dimensão onde o tempo só passaria quando Rick estivesse lá. Teria uma hora a mais com seu pai para compensar a ausência de uma vida toda.

Estripado, Rick trocou os braceletes que permitiam o transporte com Rex, seu pai, que veio para a Terra. Lá o tempo não passa, e ele pode “esperar” que os heróis encontrem uma maneira de resgatá-lo e operá-lo.

Após um rápido enfrentamento com Solomon Grundy, que serve para estrear o novo uniforme de Sandman (agora usando um sobretudo), nosso heróis seguem com os Homem-Hora Rex Tyler e o andróide para resgatarem o rapaz.

Meia-Noite e Incrível operam o Rick e o andróide acelera o tempo de recuperação, permitindo um uso racional dos quarenta minutos no fluxo cronológico. Volta então à baila a questão que o tempo acabou e que Rex terá que retornar para ser assassinado por Extemporâneo.

Claro que Rick não aceita bem o fato e decide trocar de lugar novamente com o pai, indo do fluxo cronológico para as mãos do vilão mas... sempre existe um mas...

Rex segue o filho, disposto à resgatá-lo. Há um flashback dos eventos de Zero Hora (1994) e do assassinato de alguns membros da SJA. Pai e filho lutam pelo direito de morrerem. E então o andróide Homem-Hora decide se sacrificar substituindo Rex no fluxo do tempo, coberto por um holograma.

Do males o menor, um andróide “morre” e uma família é restaurada!

Enquanto isso como sub-plot Rip Hunter resgata Jakeem Thunder e o gênio Relâmpago (“antes que o tempo mude”). Infelizmente Relâmpago não consegue deter Per Degaton (estes eventos não são mostrados, mas relatados num rápido diálogo) e Hunter vai atrás de Esmaga-Átomo para juntos tentarem salvar a equipe. No próximo arco é claro...

Mas antes na edição #67, Geoff Johns, Dave Gibbons (Watchmen, Liberdade um Sonho Americano, Tropa dos Lanternas Verdes) e James Hodgkins narram “A autópsia”, uma aventura ligada à série Crise de Identidade. Na série, uma personagem ligada à Liga da Justiça é assassinada, o quê justifica naquele momento um endurecimento com os vilões e a descoberta de segredos não tão sujos assim envolvendo Zatanna, a Liga, a Sociedade Secreta dos Super-Vilões e Batman.

Nesta edição Meia-Noite faz a autópsia da personagem, permitindo uma informação esclarecedora à comunidade dos heróis. Mas realmente grande parte da edição é dedicada à paranóia que cerca os membros da SJA e a proteção à seus parentes.

No passado (12 de outubro de 1951), Johnny Thunder tenta convencer a Átomo (Al Pratt) a não desistir da Sociedade da Justiça da América que está sendo procurado pelo Comitê de Antividades não Americanas. A perseguição do Comitê e a fuga da equipe é fato estabelecido no universo ficcional da editora e recentemente em Universo DC: Legados #02 (agosto de 2.010, data de capa), recebeu novamente atenção. Na série, temos uma narrativa linear do surgimento e alternância dos heróis da editora e da transferência de seu “legado”.

Veja outros arcos da Sociedade da Justiça aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…