Pular para o conteúdo principal

Contas

Adventure Comics é uma das séries mais antigas da DC Comics. Terminou em setembro de 1.983 no número 503, depois de ter apresentado quatro décadas e meia de histórias. Num período áureo apresentou a Legião dos Super-Heróis (Adventure Comics #300-380), que havia surgido na edição #247, como coadjuvantes de uma história do Superboy.

A série retornou em outubro de 2.009 com um número “01” estampado na capa e um número “504” pintado discretamente por cima. Depois de doze números do volume 3 da série onde apresentou histórias do Superboy (Connor, o clone) e algumas histórias de apoio da Legião dos Super-Heróis, além de histórias principais da LSH ligadas ao longo arco de histórias Novo Krypton.

A partir da edição 12 (515), Paul Levitz assume a série que passa a narrar histórias do passado a Legião com o Superboy clássico.

No número seguinte, como está sendo padrão no mercado a série muda a numeração para 516, abandonando a referência ao terceiro volume.

A Marvel já fez isto com Amazing Spider-Man, Fantastic Four, Daredevil (recentemente a Panini publicou o nº 500), Incredible Hulk (recentemente a Panini publicou o nº 600), Thor (também o nº 600), Avengers e Captain America (também o nº 600 e também recentemente publicado por aqui).

A DC fez com Superman e Wonder Woman (recentemente, no ainda inédito no Brasil, nº 600).

O próximo da lista é Homem de Ferro, que faz pela segunda vez a transformação. Anos atrás quando a soma de suas séries totalizou 400 ele fez a transformação, assim como os Vingadores que antes da Queda somaram 500 números. Ambos as séries foram reiniciadas e agora, Invincible Iron Man em suas várias séries soma 500 números. Com o lançamento do filme Homem de Ferro 2 no mercado de DVD e pay-per-view de tevês por assinatura, é mais uma forma de dar atenção à série em quadrinhos do personagem.

* * *

Talvez eu esteja enganado, mas a DC completa 75 anos sem nenhum evento arrasa-quarteirão para incendiar as bancas estadunidenses. O mercado mostra retração e a editora e a Marvel Comics estão reduzindo o preço de algumas séries mensais. Após esta fase, certamente virão alguns cancelamentos.

A linha WildStorm encerra sua trajetória em dezembro. Há três anos a editora faz uma série semanal (52, Contagem Regressiva e Trindade), mas decidiu-se por uma série quinzenal (O dia mais claro). Sinal que o formato anterior estava cansando.

Para comemorar o aniversário até o momento temos uma série de edições especiais com belas capas. Por algum motivo desconhecido, alguém da DC Comics decidiu que “Aço” (Steel), personagem que é um Homem de Ferro negro usando um martelo (Thor) e o símbolo do Superman deveria merecer uma edição especial. Sou capaz de citar cinquenta personagens da DC Comics mais importantes sem titubear. Mas talvez num triênio que tem filmes do Homem de Ferro, Thor e Superman o personagem consiga roubar alguma audiência e finalmente vender-se.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…