Pular para o conteúdo principal

A Era da Madeira (de caixão), II

A indústria de quadrinhos vive em ciclos.

Poucas revistas conseguem trafegar entre os ciclos com excelência. Um dos exemplos é Planetary (1.999-2.009), uma série da Wildstorm escrita por Warren Ellis e com arte de John Cassaday. Acompanhar sua trama é passear por gêneros da literatura como a ficção científica (sci-fi), os livros de terror, mistério ou simplesmente livros de física quântica.

Ler Planetary (que teve 26 de seus 27 números publicados no Brasil) é uma experiência. Por sinal, não se preocupe, o 27º número é um epílogo, não a conclusão da história que foi feita no número anterior.

No entanto, Planetary é hermética.

A Marvel acabou de terminar um ciclo caracterizado pela ascensão do mal na figura de Norman Osborn (veja aqui). Alguns acontecimentos como a queda dos Vingadores, a Guerra Civil e tudo mais fazem parte disso.

A editora aposta agora na Era Heróica, mas não consegue deixar de lado o período sombrio que iniciou.

Por isto atira também em direção à Shadowland, um arco que tenta concluir parte da história do Demolidor. As mudanças impostas em Shadowland começaram cerca de noventa meses atrás no início do período Bendis na série Daredevil, sendo que o plot geral continuou no período de Ed Brubaker. O herói, um vigilante urbano, tornou-se líder de uma organização criminosa, o Tentáculo, e tenta orientá-la de acordo com seus princípios. Pelo jeito das propagandas da Marvel não conseguirá.

A DC também atira na opção de algo mais brando e... erra no tom. O dia mais claro, série quinzenal que irá oferecer um contraponto à A noite mais densa, é muito boa – eu já li as nove edições lançadas -, mas não é mais branda do quê A noite mais densa.

Note que a indústria anda para um mesmo caminho: uma era de resgate de ideais heróicos em contraponto ao visual mais sisudo dos últimos anos.





Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…