Pular para o conteúdo principal

A sombra de Batman

Batman, Superman, Homem-Aranha, X-Men e Vingadores são alguns dos personagens que tem muitas títulos relacionados.

A sombra de Batman é a série nacional que irá publicar algumas das séries relacionadas ao homem-morcego como a tolinha As sereias de Gotham com Mulher-Gato, Hera Venenosa e Arlequina com roteiro de Paul Dini. Dini um dos criadores de Arlequina, já havia feito uma dupla entre ela e Hera numa edição especial, e traz uma certa respeitabilidade à série, que irá navegar entre o humor e sutil cinza que pode ser feito por três vilãs que não se regeneraram.

Muito mais interessante é a série Detective Comics estrelado por Batwoman por Greg Rucka e JH Williams III. Batwoman é uma nova personagem da DC Comics surgida na série semanal 52 e havia sido amante de Renee Montoya – a atual Questão – anos antes. O traço de Williams tem estilo e a história de Rucka trata sobre o novo dirigente da religião do crime, uma seita que já tentou assassinar a senhorita Kane em 52 e havia eleito Montoya como dirigente numa série publicada pouco depois. A melhor coisa para descrever a série: é uma experiência! Se o texto de Rucka não traz muito de novo para quem já está acompanhando o seu desenvolvimento de personagens – ele trabalha com Montoya desde Terra de Ninguém em 1.999 – pelo menos temos belas paisagens.

Robin Vermelho é um desdobramento racional: com o mentor de Tim Drake aparentemente morto, Ra's Al Ghul quer trazer o garoto para junto de si, assim como tentou com o próprio Batman. Mas Drake – que acredita que Batman está vivo, sabe-se lá o por que – está em busca de um lugar no mundo e pistas que indiquem que o morcego está vivo.

Bem... pelo menos ele viu o cadáver nas mãos do Superman!

Batgirl mostra Stephanie Brown, a Salteadora e quarta Robin, que retornou dos mortos numa das desculpas mais esfarrapadas dos quadrinhos – era o cadáver de uma indigente e não o meu! - assume o manto de Batgirl, sob a supervisão indireta de Batman & Robin. Série para adolescentes, com os típicos problemas de dupla identidade, identidade secreta, escola, gangues, relacionamentos com os pais e etecetera e tal. Não é exatamente a minha melhor aposta...

Batman Confidential traz o retorno do Espreitador – veja aqui – e se torna incoerente por que retrata a doutora Leslie Thompkins do jeito que Michael Golden fez em Batman Special. Basta avançar algumas páginas, na história da Batgirl, onde a doutora é uma das coadjuvantes e ver a mudança. Apesar disto é muito bom ver Batman com a arte de Rags Morales e a trama mostra o retorno do vilão que teria uma origem semelhante – em termos – à do homem-morcego, envolvendo Jim Gordon e suas ações na primeira noite de patrulha. É sempre bom – e chato – lembrar que Gordon no pós Crise veio de Chicago já tenente.

De qualquer modo uma história boa por resgatar uma aventura a ser lembrada.

No geral A sombra de Batman merece uma atenção especial.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…