Pular para o conteúdo principal

Boas histórias

Boas histórias partem de princípios simples.

Uma delas foi narrada por Mike W Barr, Michael Golden e Mike DeCarlo em Batman Special #1 (1984) – já publicada no Brasil na série Superamigos da Editora Abril (procure a edição #3).

Na história descobrimos que na mesma noite em que Thomas & Martha Wayne foram assassinados, o policial James W Gordon matou os pais de um garoto e este se rendeu ao mundo do crime, crescendo e se tornando um nêmese verdadeiro do homem-morcego, sob a alcunha de “The Wrath”. Antes que você culpe Gordon, saiba que os pais do garoto eram criminosos.

25 anos depois a The Wrath quer vingança e liga os pontos necessários para descobrir o que motivou a criação do Batman, fazendo chantagem para que lhe entregue Gordon.

Boa história, com início, meio e fim numa única edição.

Pena que hoje em dia ninguém queira contar as coisas assim.

Para mim foi o primeiro contato com a idosa Leslie Thompkins, que depois da reformulação da editora em 86/87 teria grande influência na personalidade do homem-morcego – veja Batman: Ano Dois e Um conto de Batman – Devoção ambas do mesmo Mike W Barr. Thompkins no pós reformulação é uma médica amiga de Thomas Wayne que auxilia Alfred Pennyworth a criar Bruce Wayne, tarefa nada fácil.

Depois de modificações no status dela em Jogos de Guerra (veja aqui) e um afastamento (veja aqui) a médica retornou a Gotham City neste mês de maio de 2.010 no primeiro volume de A batalha pelo capuz (veja aqui).

The Wrath nunca mais retornou, nem mesmo um personagem semelhante em contexto, já que no novo universo Gordon não era natural de Gotham City – ele chega à cidade no mesmo dia em que Wayne retorna.

Ainda assim, dada as devidas proporções, o vilão Prometheus, criado por Grant Morrison, tem uma história parecida: seus pais eram criminosos e ele deseja seguir os passos deles. Prometheus será uma constante por aqui, já que ele é o vilão da série de Liga da Justiça escrita por James Robinson (veja aqui) e trará algumas modificações profundas em alguns personagens.

Mike W Barr é muito conhecido por ter escrito Camelot 3000 e a série Renegados – um grande sucesso nos EUA na década de 80. Nos anos 90 retornou aos personagens na época do evento Zero Hora sem muito sucesso. Michael Golden é conhecido por ter sido desenhista da série Micronautas, uma série licenciada da LEGO, publicada pela Marvel Comics, que tinha uma estrutura geral muito semelhante à Star Wars e se passava num “Microverso”, o primeiro ano de aventuras do título foi publicado em Heróis da TV da Editora Abril.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…