Pular para o conteúdo principal

Boas histórias

Boas histórias partem de princípios simples.

Uma delas foi narrada por Mike W Barr, Michael Golden e Mike DeCarlo em Batman Special #1 (1984) – já publicada no Brasil na série Superamigos da Editora Abril (procure a edição #3).

Na história descobrimos que na mesma noite em que Thomas & Martha Wayne foram assassinados, o policial James W Gordon matou os pais de um garoto e este se rendeu ao mundo do crime, crescendo e se tornando um nêmese verdadeiro do homem-morcego, sob a alcunha de “The Wrath”. Antes que você culpe Gordon, saiba que os pais do garoto eram criminosos.

25 anos depois a The Wrath quer vingança e liga os pontos necessários para descobrir o que motivou a criação do Batman, fazendo chantagem para que lhe entregue Gordon.

Boa história, com início, meio e fim numa única edição.

Pena que hoje em dia ninguém queira contar as coisas assim.

Para mim foi o primeiro contato com a idosa Leslie Thompkins, que depois da reformulação da editora em 86/87 teria grande influência na personalidade do homem-morcego – veja Batman: Ano Dois e Um conto de Batman – Devoção ambas do mesmo Mike W Barr. Thompkins no pós reformulação é uma médica amiga de Thomas Wayne que auxilia Alfred Pennyworth a criar Bruce Wayne, tarefa nada fácil.

Depois de modificações no status dela em Jogos de Guerra (veja aqui) e um afastamento (veja aqui) a médica retornou a Gotham City neste mês de maio de 2.010 no primeiro volume de A batalha pelo capuz (veja aqui).

The Wrath nunca mais retornou, nem mesmo um personagem semelhante em contexto, já que no novo universo Gordon não era natural de Gotham City – ele chega à cidade no mesmo dia em que Wayne retorna.

Ainda assim, dada as devidas proporções, o vilão Prometheus, criado por Grant Morrison, tem uma história parecida: seus pais eram criminosos e ele deseja seguir os passos deles. Prometheus será uma constante por aqui, já que ele é o vilão da série de Liga da Justiça escrita por James Robinson (veja aqui) e trará algumas modificações profundas em alguns personagens.

Mike W Barr é muito conhecido por ter escrito Camelot 3000 e a série Renegados – um grande sucesso nos EUA na década de 80. Nos anos 90 retornou aos personagens na época do evento Zero Hora sem muito sucesso. Michael Golden é conhecido por ter sido desenhista da série Micronautas, uma série licenciada da LEGO, publicada pela Marvel Comics, que tinha uma estrutura geral muito semelhante à Star Wars e se passava num “Microverso”, o primeiro ano de aventuras do título foi publicado em Heróis da TV da Editora Abril.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!