Pular para o conteúdo principal

A origem – Esmero técnico e filme longo

O novo filme de Christopher Nolan (Amnésia, Batman Begins e Batman O cavaleiro das trevas) lembra em muito os filmes da franquia Batman: tomadas de ação com carros, explosões e destruição de prédios e a trilha sonora são bastante semelhantes. O elenco escalado também auxilia. Pelo menos três atores do novo filme de Nolan também estiveram na atual cine-série do homem morcego.

Mas a partir daí as coisas mudam, mas percebe-se um padrão em tudo.

Cobb (Leonardo DiCaprio) responsável por uma equipe que busca informações no inconsciente das pessoas durante os sonhos, após um serviço fracassado é contratado para inserir uma idéia no subconsciente de um herdeiro de uma empresa, daí o título origem do filme “The inception” (a inserção, numa tradução livre).

Cabe a Cobb treinar um novo arquiteto de sonhos e conseguir vencer a presença constante de sua esposa Mal nos sonhos. A trama sustenta bem o mistério do relacionamento Cobb e Mal e chega a surpreender com os desenlaces.

De modo a que a idéia a ser inserida não fique estranha, Cobb e sua equipe devem fazer isto em três níveis de sonho e apenas sugerir a situação, de modo que a pessoa possa tomar a decisão.

* * *

O esmero técnico fica por conta de várias seqüências no sonhar como a que a cidade se dobra sobre si, quando a arquiteta começa a alterar as leis da física dos sonhos ou quando um dos agentes está caindo e sonhando que está em um edifício. Dentro do prédio a gravidade perde sua função e há uma longa seqüência feita com perfeição sem a presença da gravidade.

Fora isto é um filme longo, pretensioso e que agora corre o risco de não ser indicado para roteiro original, já que surgiu e tornou-se forte a origem da idéia de Nolan: uma hq Disney!

Não li a história – disponível em inglês aqui – e certamente nunca ficará provado se Nolan a leu ou não (ele diz que não e que tinha o roteiro escrito há anos). Isto me lembra Watchmen – por sinal você já enviou sua redação do Concurso Cultural? Veja aqui – e seu final: Alan Moore usou o conceito de um episódio da série The Outer Limits, mas não se esqueceu de apontar na trama a origem da idéia. Na sequência final do livro, no asilo a primeira Espectro de Seda está assistindo a uma reprise do episódio. Se você só conhece Watchmen – o filme, saiba que nos quadrinhos o final é diferente.

* * *

Se você tem interesse de conhecer outras maneiras de retratar os sonhos no cinema procure os filmes de David Lynch em especial a primeira temporada de uma série de TV que ele fez no final dos anos 1.980: Twin Peaks.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…