Pular para o conteúdo principal

O conquistador do futuro

A trama de viagem no tempo começa na edição # 41 de JSA e segue até a edição #44 com argumento de Goyer & Johns, lápis de Kirk e finais de Champagne.

Rex Tyler – o Homem-Hora II – tem um flashforward do ataque do Barax Negro à sede das Indústrias Tyler e convoca a equipe para proteger o local.

David Goyer criador do conceito de flashforward, um flash de memória de algo que irá acontecer é o responsável pela série de TV Flashforward (2009/10), cancelada após uma única temporada.

Hector Hall finalmente vai ao Mundo das Jóias para descobrir uma pista que liberte sua amada, Lyta, em coma há meses e lá encontra o Lasca e o responsável para confecção do amuleto de Nabu. Tudo não passa de um jogo para confudi-lo e desesperado em libertar Lyta, Hector não percebe.

Durante a derrota de Barax, o mecanismo propulsor de sua nave é acionado e inadvertidamente ele leva Capitão Marvel, Sr Incrível e Mulher-Gavião para uma viagem no tempo cuja primeira parada é em 1.944, encontrando com o primeiro Sr. Incrível – Terry Sloan.

Sloan, graças à sua grande inteligência, rapidamente descobre que os heróis são do futuro e os auxilia a derrotar o Barax Negro, com a ação de campo dos Combatentes da Liberdade. Sloan usa a referência ao paradoxo do avô para fazer o vilão do futuro desistir de seu ataque. O tal paradoxo diz que se hipoteticamente uma pessoa voltar no tempo e matar seu avô ela não existirá no futuro, anulando sua própria realidade.

Hipoteticamente, é claro. Mas no cinema veja a série De Volta para o Futuro, uma trilogia cujo primeiro episódio acabou de completar 25 anos de lançamento.

Barax está derrotado, mas temos que libertar o Capitão que ficou preso nas engrenagens da nave e a viagem dos heróis do presente continua ao Egito, durante a 15ª Dinastia onde os três heróis na aliam a Teth Adam – o Adão Negro –, ao Príncipe Khufu – o Gavião Negro –, a princesa Chay-Ara – a Mulher-Gavião - e Nabu - o Sr. Destino - para enfrentarem Vandal Savage e a versão local do Metamorfo.



Ironicamente no jogo de empurras que virou a história de Kendra Saunders ser ou não a verdadeira e definitiva encarnação de Chay-Ara naquele momento a equipe preferiu apontar as semelhanças entre as mulheres.

A história serve para aproximar Capitão de Adão Negro e nos fazer perceber que a seu modo, Teth é um herói, porém com a moralidade de alguém que viveu e sofreu no Egito. É graças à ele e ao Capitão que o deus Rá retira os poderes da versão local do Metamorfo (Ahk-Ton) e devolve Savage à infância, resolvendo definitivamente a questão.

Uma explicação adicional: enquanto a pronúncia de SHAZAM por Billy Batson lhe dá os poderes de deuses e heróis grecos romanos, sua irmã, Mary, recebe os poderes de deusas grecos romanas e Teth Adam de deuses egípcios.

Apesar das diferenças entre o atual Adão e o Capitão, é ele que fica com a missão de libertar os heróis de um sono milenar. Nabu, usando magias põem os três heróis para dormir até o presente, quando são acordados por Adão, que honra a promessa. Adão explica as perdas que passou após aquele encontro com os heróis e diz não ser mais inimigo de Billy, porém, também não consegue ser amigo dele. É uma extensão do conflito de filhos que desejam a atenção e as graças de seu pai. O papel do pai, aqui seria do Mago e os filhos seriam o rebelde Teth – amoral, violento e disposto a submeter sua visão de mundo – e do inocente Billy – carola, sábio e crente da certeza de suas escolhas.

A trama de Hector finalmente se conclui – em parte – com a quebra do encanto de sono de Mordru para descobrir que havia um segundo encanto, este de ocultamento, também quebrado. A moça ocultada e dormindo sob a pele de Lyta Hall era, na verdade, Dawn Granger, a Columba!

Quais são as pretensões de Mordru?

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…