Pular para o conteúdo principal

A Legião, III

O número 63 é de agosto de 1989 e em novembro começa o quarto volume, inicialmente chamado de “Five Years Gap”, referência ao fato que a cronologia pulou cinco anos e houve alguns acontecimentos...

O roteiro de Giffen mostrava um futuro sombrio, com a Legião desacreditada.

Em 1993, como parte de uma revitalização da equipe e troca de equipes criativas, surgiu a série Legionnaries que seria publicada mensalmente, assim como também, Legion of Super-Heroes volume 4.


Em setembro de 1.994 a equipe passou com um reboot (reinício) e as séries LSH/Legionnaries se aproximam do Universo DC padrão durante anos, até que no final do milênio ambas as séries são canceladas e a equipe tem uma série chamada Legion Lost e uma nova série mensal The Legion.

Após quase três anos o universo é reconstruído novamente (o tal tri-boot) e surge a quinta série Legion of Super-Heroes de Mark Waid & Barry Kitson. O episódios com a participação da Supergirl foram publicados por aqui.

Durante a Crise Infinita Geoff Johns reuniu três versões da Legião (a presente até o terceiro volume, a posterior à Zero Hora e a tri-boot) em uma série e explicou que elas vinham de dimensões diferentes. Não foi citada a versão “Five Years Gap”.

A série foi um sucesso e a equipe, enquanto se arrumava ocupou o espaço de história de suporte de Adventure Comics e ganhou em nova série mensal a partir de julho de 2010 (data de capa), o quê vem a ser o sexto volume da série The Legion of Super-Heroes.

Ufa!

Mas lembre-se para ler – e se divertir – agora você não precisa saber nada disso!

Por sinal já toquei no assunto da Legião dos Super-Heróis por aqui nos seguintes posts:

Incapacidades (I)

Incapacidades (II)
Incapacidades (III)

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…