Pular para o conteúdo principal

Novos Vingadores # 75 e Capitão América v5 # 50

Não é segredo para ninguém que lê este blog que acredito que a série Captain America v5 por Ed Brubaker, Steve Epting & vários é um melhores materiais de quadrinhos de heróis da década de 2.000.

A explicação da qualidade não se deve apenas à equipe, que já teve sua cota de acerto e erros, mas a todo o momento que a indústria de quadrinhos vive: está sendo reeditando material de dez, vinte, trinta anos atrás com roupagem atual, permitindo que quem não estava vivo para ver tome consciência de excelentes fases dos personagens.

Sim, estou dizendo que parte do conceito atual da série Captain America remeta ao final de uma famosa saga envolvendo o Império Secreto, publicada nos anos 1.970. Parte, mas não toda é claro. A semelhança da situação atual é que um criminoso está em uma posição de mando sobre os órgãos legalmente constituídos. Este homem é Norman Osborn e note que não foi sobre isto o arco do Capitão que elogiei, apenas deixou o personagem ao final de mais de cinqüenta edições numa posição semelhante.

Novos Vingadores # 75 a última antes da revoli$ão da Panini traz mais uma bela capa de Alex Ross e dois momentos mais distintos.

Traz a história “Velhos tempos” de Captain America v5 #50 (julho/2009) por Ed Brubaker, Luke Ross e Luke Ross/Rick Magyar que conta parte do processo de seleção de Buck Barnes para ser o parceiro do Capitão, uma aventura na Polônia durante a guerra e flashes dos acontecimentos posteriores que já foram suficientes abordados por aqui.

Como era uma edição comemorativa (o número 50 da quinta série do Capitão) há algumas histórias curtas que compõe a edição. A história “Sentinela da Liberdade” de Marcos Martin (Batgirl: Ano Um) é muito boa.

A Panini também aproveita páginas vagas e publica uma história curta de Captain America #600 de Roger Stern & Kalman Andrasofszky. Explico: quando a soma de todas as séries do Captain America se aproximou do número 600 a Marvel resolveu retornar para esta marca significativa e cancelou o volume 5 retornando para o primeiro volume e sua numeração com uma nova edição especial – ainda inédita por aqui. Este tipo de retorno tem sido uma constância na indústria e já aconteceu com Homem-Aranha, Quarteto Fantástico, Thor, Hulk, Superman, Mulher-Maravilha e até mesmo com séries de baixa numeração como Thunderbolts.

Mas ao contrário do que se acreditava que iria acontecer em Captain America #600 a editora decidiu não retornar Steve Rogers nesta edição e sim numa série auxiliar “Captain America Reborn”, interrompendo a série mensal. Entre as edições 600 (outra edição) e 603 tivemos histórias soltas enquanto o escritor se concentrava para produzir o material de “Reborn” - infelizmente bem inferior às tramas que vinha desenvolvendo na série mensal... mas afinal, uma série que tenta explicar como um morto volta à vida não foi feita realmente para ser levada à sério.

Assim a edição #601 (set/09) também publicada neste Novos Vingadores traz a história auto-contida “Sangue Vermelho, Branco e Azul” de Ed Brubaker e Gene Colan. Colan foi um artista muito popular nos anos 1.970 e responsável por Captain America, Daredevil, Tumba de Drácula, Night Force e Jemm, Son of Saturn, entre outros projetos. Nesta história no início de 1.945 Cap & Buck enfrentam um caso de vampirismo, uma homenagem nada sutil ao maior sucesso de Colan, produzido com Marv Wolfman a série Tumba de Drácula.

Apesar de não ter a qualidade dos últimas histórias escrita por Brubaker é bastante divertida especialmente em se tratando de uma edição especial.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…