Pular para o conteúdo principal

Secret Origins Special: Pecados originais

Semana passada o meu amigo DJ Yuga – membro da banda Black Sonora de BH - lembrou desta edição de Origens Secretas publicada aqui em Superalmanaque DC #01 (1990).

Naqueles idos ele tinha 15 anos e eu 14 (às portas dos 15) e conseguia acompanhar tudo que saia por aqui da Abril e a maior parte do material da Editora Globo – como V de Vingança, Sandman, Orquídea Negra, etc.

A edição é especial para mim por causa da bela capa lembrada por ele e também por ser a primeira história de Gaiman para o Universo DC padrão que li. Sim, eu tinha lido Orquídea Negra e já acompanhava Sandman, mas para os personagens padrão da editora este foi o primeiro contato.

Outro detalhe, pouco lembrado, é que a edição vinha com Batman (3ª série, em formato americano) #0, com um história que rememorava a origem do homem-morcego e suas motivações. Por favor não confunda este #0 com o número 0 da quinta série do personagem pela Abril que tinha ligações com um evento da editora chamado “Zero Hora”.

Nesta edição 0 tinha um prelúdio para “As muitas mortes de Batman” que seria reprisado na edição #01, mas a história completa não seria.

1ª história – Repórter quer fazer matéria sobre Batman e seus vilões. Em Gotham recebe o aviso de Batman e vai servindo como elo de ligação entre as origens de Charada, Pingüim e Duas-Caras.
A – Neil Gaiman D – Mike Hoffman F – Kevin Nowlan

2ª história – A história do Pingüim narrada por um comparsa, dando foco na humilhação que o culto Cobblepott sofreu nas mãos de um garoto na infância e sua vingança já adulto e criminoso.
A – Alan Grant Arte – Sam Keith

3ª história – Seria impossível dizer que esta história é a origem secreta do Charada, mas o é. Numa narrativa saudosista, Charada brinca com os repórteres deixando-os mais confusos do que sábios.
A – Neil Gaiman Arte – Matt Wagner

4ª história – Criminoso foge da cadeia e seqüestra a esposa de Harvey Dent, obrigando-o a salva-la. Posteriormente ela narra o fato para a equipe de TV, mas a uma discrepância cronológica: na narrativa Harvey seria órfão, o quê foi anulado. Harvey tem pai, e maus tratos na infância iniciaram sua dupla personalidade.

Outro detalhe: mostra a esposa de Harvey, Grace, como uma esposa que sempre irá esperar o retorno de Dent. Na minissérie Duas-Caras ataca duas vezes é mostrado que ela contraiu matrimônio com outra pessoa.

Há no mínimo mais três histórias que narram versões para a origem do Duas-Caras: Faces, uma edição de Batman Annual; Batman & Duas: Crime & Castigo e O longo dia das bruxas. Escolha a mais adequada.
A – Mark Verheiden D – Pat Broderick F – Dick Giordano

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…