Pular para o conteúdo principal

Carta do Editor em Swamp Thing #89

Há muitos anos Swamp Thing (Monstro do Pântano por aqui, mas no dia – delírios meus – que eu for proprietário da editora que publicar as histórias do personagem, irei trocar para “a coisa do charco” ;) ) era uma revista bem produzida com uma equipe respeitável.

Karen Berger, editora responsável por muita coisa boa que a DC publicou, especialmente Legion of Super-Heroes de Levitz & Giffen, Swamp Thing e Sandman, além de ter criado o núcleo Vertigo, que se tornou selo (imprint, em inglês) da editora, uma marca forte, mostrou na seção de cartas de Swamp Thing #89 (novembro de 1989, data de capa) a razão pela qual o escritor Rick Veitch saiu da série.

Certamente não há leitores no Brasil que desconheçam o motivo, que foi abordado na imprensa várias vezes, inclusive no site Universo HQ.

Mas ao trazer a imagem quero mostrar aos meus leitores como as coisas são tratadas nos EUA e aqui. Sem poder interferir numa decisão editorial, Berger apenas lamentou o ocorrido, mas tornou público. Por aqui seria mantido por debaixo dos panos e citado enigmaticamente como “decisões editoriais” sem maiores explicações. Como o fato já público que a Legião dos Super-Heróis não era publicado na Abril apenas por que um poderoso editor não gostava da série (como não lembro mais a fonte prefiro não citar o editor, mas assim que a encontrar, atualizo o post).

Duas curiosidades:

a) Veitch nunca mais produziu para o mainstream.

Assumiu a arte e história de Swamp Thing após a saída de Alan Moore, e produziu uma fase elogiada (já publicada no Brasil, quase na íntegra), mas afastou-se do título graças à interferência editorial.

Fez “Brat Pack” (já publicado no Brasil pela HqManiacs) e trabalhou com Alan Moore em 1963 e Supremo, produzindo material para Image, além de outros materiais que não tive acesso ainda.

Produziu material também para a linha ABC de Alan Moore na Wildstorm.

Voltou para a DC e produziu uma série do Aquaman, além de outros materiais que, ou foram criticados por serem eruditos ou tiveram baixas vendas. Hoje é menor que em 1.989.

b) A Marvel Comics tem um recém criado núcleo interessante chamado “Legends”. Explico: Chris Claremont, autor dos X-Men acreditava que, se desse seqüência aos seus plots de 1.990/1.992 na série “The Uncanny X-Men”, teria resultados melhores com que continuar a intricada cronologia estabelecida após sua saída dos títulos.

A editora então decidiu criar a série/núcleo chamada “X-Men: Legends” onde ele poderia fazer isto; ou seja, afastaria da continuidade atual apenas o novo título e daria a caixa de areia para Claremont brincar.

Apesar de não se tornar um sucesso imediato de vendas, a idéia certamente tem seus méritos e a Marvel estendeu à escritora Louise Simonson para uma série chamada “X-Factor: Legends”.

Louise Simonson é conhecida por ser o modelo de Abby Holland para capa da primeira aparição de Swamp Thing. Na década de 1.980 foi editora assistente dos mutantes, onde assumiu “Novos Mutantes” após a saída de Claremont da série e criou a série X-Factor.

Originalmente o X-Factor eram os integrantes originais da primeira equipe dos X-Men afastados, pois a equipe mãe estava ou morta (O massacre dos mutantes, A queda dos mutantes) ou sob o controle de Magneto (The Uncanny X-Men #200).

Louise produziu a série, com direitos a muitos números com arte de seu marido Walt, até uma re-estruturação onde o título foi entregue à Peter David.

Louise e marido seguiram para DC Comics. Ela criou junto com Jon Bogdanove, a série The man of steel (depois alterada para Superman: The man of Steel), e, com a proposta da DC Comics de interligar as séries do homem de aço, tornou-se, além de escritora, a profissional que auxiliava o editor a gerenciar a continuidade entre as quatro (depois 5, depois 4 novamente) séries do kryptoniano.

Se a moda pega a DC Comics poderia fazer um “Legends” (com outro nome, certamente) para Veitch e Monstro do Pântano.

Veremos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…