Pular para o conteúdo principal

Crise na Anti-Terra


Quando comecei a fazer uma resenha de todas as Crises da DC Comics percebi imediatamente que existem três características básicas destes eventos: 1) que eram o encontro anual entre a Liga da Justiça e Sociedade da Justiça; 2) que eventualmente tinham crise no nome e 3) enfrentavam uma ameaça que punha em risco seres de uma ou várias dimensões.

Assim, quando li a série semanal Trindade, escrita por Kurt Busiek, com lápis de Mark Bagley e finais de Art Thibert, sabia que com tantas páginas (17 por edição vezes 52 edições = 884 páginas), o autor iria passear em conceitos que já haviam sido apresentados nos quadrinhos, seja como forma de homenagem, seja como forma de estender a trama.

Busiek, faz ainda, neste primeiro terço da série uma espécie de história longa da Liga da Justiça da América – coadjuvantes constante até o momento.

Ou seja, somando tanto espaço, a Liga, os três mais importantes e vilões significativos não poderíamos deixar de dar espaço para uma “crise”.

Porém a editora estava publicando aquela que, até o momento, é sua “Crise Final” – por sinal, cronologicamente, “Trindade” é anterior à Crise Final – e seria redundante publicar outra história chamada “crise” naquele momento.

Mas é isso que a trama que permeia a história principal das edições 09 a 14 é!

Em síntese: um trio de vilões formado por Enigma, Morgana Le Fey e Despero acredita que a trindade Superman – Batman – Mulher Maravilha possui características únicas que lhe permitiram acessos a forças que lhes permitiria a realização de seus objetivos e a vitória. Então eles procuram distrair os heróis enquanto colocam símbolos místicos e etecetera e tal.

Um destas distrações é o Sindicato do Crime da Amerika que está seqüestrando pessoas de vários mundos do Multiverso para trabalharem na reconstrução de seu próprio mundo! A destruição foi vista em LJA – As regras do Sindicato, arco de oito partes que o próprio Busiek fez com a equipe de heróis.

Por sinal o vilão Enigma mostra claramente sentimentos em relação à Anti-Terra, deixando claro que pode ser uma versão do Charada daquele mundo – observação: até o momento isto não foi confirmado.

Com as personalidades misturadas e gerando um Superman soturno (habilidade do Batman) e mais violento e guerreiro (Mulher Maravilha) os vilões são facilmente derrotados, o quê gera uma revolução na Anti-Terra.

Usando um mecanismo concebido pelo Lanterna Verde John Stewart e construído por Tornado Vermelho, Ray Palmer e o novo Átomo, os heróis conseguem transportar todas as pessoas de volta, quando um irado Enigma energiza o equipamento gritando “Não! O planeta inteiro virou uma zona de guerra... vocês danificaram sua estrutura básica de modo que ele pode nunca se recuperar! E agora querem fazer mais? Vão embora! Vão embora agora!”.

Os heróis são transportados e voltam para a Nova Terra e os leitores não sabem o quê ocorreu na Anti-Terra em relação ao Sindicato do Crime (aprisionado longe do planeta) e as diversas frentes revolucionárias, assim como também não se sabe a questão da crosta terrestre destruída no ataque qwardiano em LJA – As regras do Sindicato.

Oficialmente, estes eventos publicados em Trinity # 09 a 14 nos EUA e aqui em Trindade # 03 e 04 da Panini Comics, não são uma “crise”, mas tem todos os detalhes que caracterizam este tipo de eventos.

Veja a listagem de todas as Crises da DC Comics
.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…