Pular para o conteúdo principal

Os últimos lançamentos de novembro da DC/Panini

O mês de quarenta dias da Panini foi mais breve desta vez – durou 32 dias!

A editora continua mostrando que é impossível editar, imprimir e distribuir a quantidade de títulos que publica mensalmente.

O Superman/Batman # 53 (novembro/2009) chega às bancas e na minha residência – sou assinante – em 02 de dezembro. Mostra, evidentemente, que foi impresso em novembro, mas a gerência de distribuição não conseguiu planejar adequadamente a impressão e distribuição.

Diga-se de passagem, que a perda é mínima, mas chama a atenção já que a comparação com a metodologia da Editora Abril é inevitável. A Abril enviava o pacote completo para o assinante (ou seja, já tinha planejado a impressão com antecedência) e normalmente isto acontecia antes da primeira edição do pacote chegar em bancas.

Lembre-se que a Abril consegue distribuir 1,1 milhão de exemplares de VEJA entre domingo (nas capitais e grandes cidades), segunda (no interior) e quarta (as pessoas que ainda recebem por correio). Isto toda semana!

Se fosse com a metodologia Panini iria chegar na sexta ou segunda...

Bem vamos aos fatos.

Superman/Batman # 53 traz Superman/Batman # 51 com versões mirins dos heróis títulos e da Liga da Justiça, The Brave and the Bold # 17 com Supergirl & Ravena em uma história que terá duas partes; uma história curta de Solo # 03 de Paul Pope que continuará inundando a revista, já que Final Crisis: Legion of Three Worlds tem mais páginas que o habitual, e, por sinal, nesta edição temos a segunda parte da história com as Legiões de múltiplos mundos por Geoff Johns & George Pérez.

Já em Trindade # 4 temos as edições 13 a 16 da série semanal, dividida em histórias principais por Kurt Busiek, Mark Bagley (Ultimate Spider-Man) e Art Thibert e histórias secundárias por Kurt Busiek & Fabian Nicieza e arte de Tom Derenick & Wayne Faucher, Scott McDaniel e Mike Norton & Jerry Ordway. As histórias principais se concentram na manipulação de Batman, Superman e Mulher Maravilha por um trio de vilões e as secundárias com mais personagens, se concentram unicamente em dar suporte de narrativa às tramas principais.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…