Pular para o conteúdo principal

Entendendo Hellblazer, Parte 1

Hellblazer ou John Constantine Hellblazer é uma série mensal de magia, misticismo, satanismo e idolatria da DC Comics. Iniciou em 1.987 e ainda é publicada hoje, 22 anos depois. Assim é a série do selo Vertigo com a maior numeração.

A DC Comics, assim como a Marvel teve uma longa tradição de quadrinhos de terror nos anos 1.970. Na Marvel temos “A Tumba de Drácula”, Werewolf by Night, Son of Satan, A Múmia. Na DC a concentração era em antologias, mas sempre houve séries de personagens principais como Monstro do Pântano. House of Mistery, Mansion of Secrets, Dark Mansion of Forbidden Love e Elvira’s estão entre as séries de antologias mais conhecidas.

Passado os anos Wes Craven (Pânico, A hora do Pesadelo) fez um filme com o Monstro do Pântano que reacendeu o interesse sobre a criatura, que ganhou nova série. Dois anos depois, Karen Berger, responsável por vários sucessos da editora, fez o contato com o escritor britânico Alan Moore para assumir o título.

Neste período o escritor faz um conjunto importante de colaborações. Cria Watchmen (1.986), A piada mortal (1.987), V de Vingança (1.987), além de várias histórias secundárias que se provariam importantes para a indústria, como a visita do Lanterna Verde Abin Sur em um mundo de prisioneiros, fator relevante para toda a cronologia da atual série Lanterna Verde e válvula propulsora dos arcos “A guerra dos anéis” e “A noite mais densa”.

Num arco da série Monstro do Pântano, Moore cria o mago inglês John Constantine (com as feições do cantor Sting). Constantine nesta fase é marcado pelo terno completo e alinhado, sobretudo e sempre um cigarro nas mãos.

Fez sucesso a maneira como foi introduzido: ele era um personagem bom – à sua maneira – mas manipulava a criatura do pântano numa jornada de auto-conhecimento e descoberta da América mística. A saga “Gótico Americano” foi publicada em 16 partes, numa época em que não havia logos especiais na capa designando o nome do arco e o capítulo. No Brasil a Editora Abril publicou em Monstro do Pântano # 1 a 8.

Constantine ganhou pesquisa em que se sugeria o personagem que tinha que ganhar uma nova série. A DC não hesitou muito e contratou Jamie Delano & John Rigdway para iniciarem a aterradora série mensal.

Visualmente o personagem começou a mudar. Rigdway e todos os artistas mostravam John mais novo, sempre com blazer abertos e gravata raramente fechada (até ser completamente abolida). Uma aparência desleixada que contrastava com o visual adotado por Stephen Bissete e Rick Veitch. Rigdway também tem uma bela colaboração na antologia Hellraiser de Clive Barker publicada na Marvel/Epic e traduzida pela Editora Abril.

Se, visualmente mudou, as histórias do primeiro arco “Pecados originais” (publicados no Brasil pela Editora Abril em Monstro do Pântano e em encadernado pela Devir Livraria) mostram que o personagem era o mesmo, capaz de em seu aforismo máximo dizer “Não diga nada de bom sobre mim. Isto estragaria minha fama”. Delano inclusive é creditado como autor junto com Moore e Bissette.

Neste primeiro arco temos a história Fome onde um colega de Constantine aprisiona um demônio africano da fome e miséria com trágicas conseqüências. Além das pauladas de sempre, primeiro na cultura de derrota dos EUA em relação ao Vietnã; depois no envolvimento de cultos evangélicos em atitudes fascistas, temos também o envolvimento do governo inglês em cultos demoníacos!

Estava cimentada as bases da trilogia de horror moderno da DC Comics (e também as bases do selo Vertigo). As séries que compunham eram “Monstro do Pântano” (1.982), “Hellblazer” (1.987) e “Sandman” (1.988).

Ao apresentar também uma namorada de John e um demônio que o perseguia, também estavam criados os ganchos para as seqüências, que veremos a seguir.

No Brasil toda esta fase, ou seja, Monstro do Pântano – Gótico Americano e Hellblazer: Pecados Originais pode ser encontrada na série “Monstro do Pântano” da Editora Abril Jovem.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…