Pular para o conteúdo principal

Os mortos-vivos volume 11: Sob a mira dos caçadores (2013)


[Trama]
Seguindo para Washington o grupo de sobreviventes liderado por Rick Grimmes vê-se com tensões internas quando um dos gêmeos mata o outro e eles sabem que há uma decisão difícil a ser tomada. Do nada surge o Padre Gabriel Stokes e o grupo passa a ser perseguido por caçadores nas sombras, que capturam Dale e se revelam canibais!

O grupo terá que resgatar o colega e vingar-se caso necessário!

[Opinião]
Novamente todo o cansaço que pode haver quando se pensa racionalmente sobre a série se vai após a leitura deste arco. Esta é a melhor edição desde o volume 2 da série! O quê faz isto? Um conjunto de fatores. Primeiro Rick volta para a liderança, que ainda é um coletivo e ele dá espaço para todos partilharem do peso das decisões. Segundo, Kirkman ousa tocar em pontos espinhosos. E vários!

Primeiro sobre a loucura juvenil, pois Ben mata Billy, mas parece não saber o quê fez. Como saber como o apocalipse zumbi afetou o menino? Diante do quadro eles conversam sobre matá-lo, mas ninguém quer fazê-lo, especialmente Dale e Andrea que se recusam simplesmente a discutir a questão. A frieza das páginas que mostram os diálogos sobre o futuro do garoto são um show à parte. Mas alguém tem que tomar a difícil decisão. E alguém inesperado toma!

Um padre que se manteve protegido em sua igreja enquanto seus fiéis morriam pelo lado de fora é um detalhe sombrio que marca a crueldade do texto. Mas o detalhe de mestre são os caçadores canibais, covardes, incapazes de lutar, que primeiro mataram as crianças de seu próprio grupo!

O momento em que o leitor se dá conta do que aconteceu com Dale é chocante, e mesmo diante do festival de atrocidades que já vimos na série, temos um choque que permanece nítido quando se pensar no personagem. A trama é muito bem desenvolvida e, ao fazer opção por caçadores covardes, os autores deixam subentendido que em algum momento poder ser que eles encontrem caçadores que não sejam.

O sofrimento de Andrea, que perde os gêmeos, a quem junto com Dale adotou deste o início da série e o próprio companheiro é digno, tocante. Devo lembrar que do grupo inicial restam apenas Rick, Carl e Andrea que junto com a popular Michonne parecem serem intocáveis. Esta, por sinal, Kirkman poupa neste ano (os volumes 10 e 11 correspondem a um ano de edições da série mensal), ainda que comece a demonstrar um interesse em Morgan.

Há algumas dicas sobre o futuro. Kirkman busca mostrar Eugene como um deslocado em um determinado momento observando bobamente um encontro sexual entre Abraham e Rosita. Em outro ele surge, com conhecimentos genéricos pouco úteis, mas novamente parece ter algum conhecimento científico quando observava uma falta de habilidade motora nos zumbis. Aqui um zumbi aparentemente não consegue se mover para atacar suas presas. É a segunda sequência que mostra tal detalhe.

Pelo conjunto do reunido neste volume, as edições The Walking Dead #61-66, meu interesse foi novamente renovado e percebi que os autores poderiam ousar um pouco mais e eu continuaria acompanhando – ao menos os próximos volumes. À medida que alguém cai fica-se com a curiosidade mórbida sobre como cairá o próximo.

Os mortos-vivos volume 11: Sob a mira dos caçadores, março de 2013, HqM Editora. Texto de Robert Kirkman, lápis e finais de Charlie Adlard e tons de cinza de Cliff Rathburn. ISBN 978-85-998-5965-0.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…