Pular para o conteúdo principal

Os mortos-vivos vol 2: Caminhos Trilhados

Em novembro de 2.006 a HqManiacs Editora trouxe o segundo encadernado da série em quadrinhos norte-americana The Walking Dead, escrita por Robert Kirkman e publicada nos EUA pela Image Comics.

O encadernado reúne as edições #7-12 da série original que agora tem um novo desenhista, Charlie Adlard (lápis e finais) e continua com os tons de cinza nas mãos de Cliff Rathburn. Adlard ainda continua na série nos EUA.

[A trama]
Depois do trágico fim de Shane, Rick Grimmes assume o fardo de orientar o grupo de sobreviventes e tentar encontrar o governo. Eles encontram um condomínio infestado por andarilhos (ou errantes, ou seja, os walkies, como são chamados os zumbis na terminologia da série) e posteriormente a fazenda de Hershell Greene.

Carl, filho de Rick e Lori é ferido acidentalmente por Otis e levado para a fazenda, onde Hershell, um veterinário, o opera. O grupo que havia recebido o acréscimo de Tyreese (que logo inicia um romance com Carol), Julie e Chris, ela filha de Tyreese, é bem recebido na fazenda, ainda que se choque com os valores de Hershell que acredita que a praga tem cura se for possível aguardar um pouco. Portanto deixar seus familiares e amigos zumbificados no celeiro da fazenda.

A perda de Amy, irmã de Andrea, dá espaço ao envolvimento entre a jovem e o idoso Dale e o grupo se recorda da perda de Jim, ferido e transformado lentamente no volume anterior. Donna, a senhora cheia de valores rígidos, falece vítima de um zumbi e deixa seu marido, Allen, profundamente abalado. Mas a entrada de Hershell e Otis introduz uma série de outros personagens: Lacey, filha mais velha de Otis, Arnold, filho, Maggie, Billy, Rachel, Susie e Patrícia (namorada de Otis).

Maggie inicia um romance com Glenn na base do hedonismo. A tensão permanece no grupo especialmente agora que se descobre a gravidez de Lori, com um filho que certamente não é de Rick. Para piorar o choque de valores entre o grupo e os moradores da fazenda talvez não permita que fiquem ali.

[Crítica]
O andamento da série no início era diferente. Acontecia muita coisa em pouco tempo. Nestes dois volumes é fácil perceber isto. Shane more rapidamente (na última edição do volume anterior), Donna morre no condomínio e rapidamente Hershell descobre que está errado sobre a recuperação dos zumbificadores, perdendo no processo a filha Lacey e o filho Arnold. Uma das características era a chegada e saída de personagens e alguns que ficam para trás como Glenn, que quando o grupo de Rick decide seguir, escolhe permanecer na fazenda para manter o relacionamento com Maggie.

Hoje Kirkman transformaria estas seis edições em talvez dezoito, facilmente. Mas não perdeu a força. No início era necessário impacto para exibir a viabilidade comercial da história. Hoje, já estabelecida para os padrões Image Comics, cerca de 40-45 mil cópias, mais presença constante no TOP 10 de encadernados, The Walking Dead já tem uma narrativa própria, o quê não impede que às vezes pareça lento.

Para os espectadores da série de TV estes dois encadernados são a fonte de inspiração para os eventos das duas temporadas. Vale a pena conferir como as coisas foram levemente diferentes nos quadrinhos.
 
[Volumes de Os mortos-vivos]

Vol.
Lançamento
Edições #
Título
01
05/2006
#1-6
02
11/2006
#7-12
03
04/2008
#13-18
Segurança atrás das grades
04
10/2009
#19-24
Desejos carnais
05
07/2011
#25-30
A melhor defesa
06
10/2011
#31-36
Vida de agonia
07
12/2011
#37-42
Momentos de calmaria
08
03/2012
#43-48
Nascido para sofrer

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…