Pular para o conteúdo principal

O Brasil e as mídias digitais

A Editora Abril e parceiros lançaram a versão BETA do IBA <www.iba.com.br> um portal de compras para conteúdo digital, seja ele revistas, livros ou jornais.

Tenho preferência para o formato impresso, especialmente em livros e quadrinhos, mas não me oponho ao formato digital para periódicos como revistas e jornais. Inclusive elogio a ideia que irá permitir que pessoas do interior do país tenham acesso a jornais das grandes capitais.

[Preço e a ausência da multiplataforma]
Claro que sempre haverá o questionamento sobre os preços. Por quê uma VEJA digital também custa R$ 9,90? Afinal neste preço está inserido o valor da impressão, custos operacionais e inclusive o preço da distribuição, seja via Correios, seja via entregador. O conteúdo digital não poderia ser mais barato?

Meu interesse imediato, que são alguns jornais da cidade de São Paulo, custa R$ 3,00 o exemplar!

Achei caro! Mas tudo bem, compre quem quiser e o próprio fracasso financeiro da aventura – se ocorrer – irá obrigar aos executivos reverem sua política de preços.

Minha tristeza é que apesar de supostamente ser multiplataforma e rodar em PC e tablet, o software para leitura do conteúdo só está disponível para o sistema operacional Windows e para o iPad, sendo anunciado para breve o lançamento para o sistema operacional Android, uma distribuição baseada em GNU/Linux, mas nada para versões GNU/Linux para PC.

É uma pena. Cheguei a me entusiasmar com a ideia e até mesmo a testar em um Windows 7 Starter que veio em meu notebook, mas logo começou o problema de versões tão comum ao software privado. Desisti e comuniquei ao IBA na esperança que produzam o software de leitura (o IBA Reader) com tecnologia realmente multiplataforma. Até lá não verão meu rico dinheirinho!

De qualquer modo fica o registro de uma grande corporação que uniu livros, jornais e revistas para um mercado promissor. Há erros, mas eles serão superados à medida que pessoas se cadastrarem e não aceitarem a imposição de um sistema operacional para ler seu conteúdo digital preferido.

Fica a dúvida do motivo pelo qual o Grupo Abril prefere ignorar o software livre. Observem que o tema numa foi capa da VEJA, que noticia muito coisa importante mas também pautas menos nobres, mas nunca tocou no tema seja na capa ou em uma matéria digna para desmistificar o assunto. Como o grupo também é proprietário da INFO, uma das principais revistas sobre a cena da informática no Brasil e mundo, nota-se uma resistência em apresentar o tema à grande população.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…