Pular para o conteúdo principal

Os Mortos-Vivos vol 8: Nascidos para sofrer (2012)


[A trama]
O Governador e as pessoas de Woodbury finalmente atacam o grupo de Rick na prisão, com resultados chocantes para ambos os lados.

[Opinião]
Acompanhei The Walking Dead até a edição #110 da série americana. Acho que tem mais de dezoito meses que não leio uma edição recente e havia muito tempo que não relia os ciclos anteriores. Devo dizer que depois de cerca altura cansei da série. Há dois detalhes sobre este cansaço: a) ele se deve em parte a eu imaginar que a série deveria ter fim e que estendê-la pode diminuir o impacto; b) o cansaço não resiste às leituras dos encadernados e se dissipa. A história de Rick Grimmes e seus companheiros é muito interessante.

Nascidos para sofrer encadernado da HqM Editora publicado em março de 2012 reúne as edições #43-48 e uma história curta de Image Comics Holiday Special (2005) é o fim do “ciclo da prisão”, assim como o fim de alguns personagens importantes aos quais nos afeiçoamos. O tom do volume ao final é que muitos morreram e o grupo está disperso. Na última página sabemos quem, com certeza, morreu, mas não sabemos quem está vivo. O objetivo seria fazer uma faxina na série, provocar um choque no leitor e continuar. Naquele momento funcionou… e bem! Me chocou!

Não quero dizer, com isso, que depois não funcionaria. Mas, assim como neste diálogo entre Rick e Carl, quando o pai informa ao menino que um companheiro morreu o garoto reage com esta resposta: “As pessoas morrem, papai. Acontece todo o tempo. Vou sentir falta de (censurado). Mas sabia que ele poderia morrer. Todos vão. Todos vamos.” Com o passar das edições o choque das mortes fica concentrado na crueldade em que eles cairiam e não mais na morte em si. Todos os personagens morrerão é certo! Resta saber quando.

Mas mesmo com esta “previsibilidade” a série se sustenta bem e consegue gerar tensão o suficiente para que os leitores se interessem em acompanhar, se não o desenrolar de toda a epopeia, ao menos até o ponto final de seu personagem preferido.

Mas uma coisa eu lhe digo: a cada vez que se pega um encadernado não é possível abandonar antes da página final.

Os Mortos-Vivos vol 8: Nascidos para sofrer, HqM Editora, ISBN 978-85-998-5948-3, março de 2012.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…