Pular para o conteúdo principal

Doctor Who Series 8 [2014] Season finale



Apesar de boas ideias durante a temporada, em especial nos episódios Kill the moon, Mummy on the Orient Express e In the forest of the night, noto um cansaço incrível em Doctor Who, algo bem comum nas encarnações de Matt Smith e Peter Capaldi: ele continua a ser uma metralhadora giratória alheia ao mundo que o cerca.

O season finale da oitava temporada com Dark Water e Death in Heaven parece-me distante daquilo que vi na série: um personagem morre e no fim temos cybermen zumbis. Em explicações que não acrescentam muito, ouvimos partes da verdade: Missyo Mestre regenerado em mulher (será um indício de uma próxima regeneração para o personagem principal?) – cria um poderoso HD que armazena os dados das pessoas que morrem (a alma?). Colhe as informações e cria um vírus que incuba em mortos e os ergue como cybermen.

É a resposta de Doctor Who para o sucesso de The Walking Dead? Usar humanos para ponto de partida para os cybermen e descartá-los em evento deus ex machina?

Para embalar isto Clara traí o Doctor diante da morte de uma pessoa cara a ela. Se as fotos do especial de Natal mostram uma suposta gravidez todos os indícios já estavam no epílogo de Death in Heaven. Se não viu, reveja.

[E a temporada?]
Capaldi trouxe energia ao Doctor, mas tornou-se coadjuvante à Clara Oswald que, sendo a garota impossível e tendo conhecido tantos Doutores, teve dificuldades de aceitar a regeneração ao mesmo tempo em que ele, paternalmente, não aprovava o romance dela com Danny. De resto correram de um lado para o outro durante a temporada e tivemos um esboço de macro-história envolvendo Missy.

O quê sobra?

Como sempre, na série, boas ideias nem sempre bem executadas. A impressão é que não tiveram tempo para pensar em soluções melhores para os problemas apresentados. Algumas são ótimas histórias de ficção, mas não parecem ser boas ideias na TV.

Individualmente os episódios parecem ser melhores que a temporada.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…