Pular para o conteúdo principal

Doctor Who [Arco 065]: The Three Doctors


Um Time Lord renegado chamado OMEGA mantém Gallifrey sob sítio e os Time Lords decidem pedir auxílio ao Doctor (Jon Pertwee). Quando a situação não se resolve, pedem auxílio para as duas encarnações anteriores do Doctor – William Hartnell e Patrick Troughton.

[Localização no Continuum]
The Three Doctors é o 65º arco da série de TV britânica Doctor Who, exibida pela BBC. É o primeiro arco da 10 temporada e comemora os dez anos da série. É composto de quatro episódios com 25 minutos em média e foi exibido entre 30/12/1972 a 20/01/1973.

[Trama]

Mantido em sítio por um Time Lord renegado e agora enlouquecido pelos efeitos do poder que adquiriu, os Time Lords de Gallifrey quebram suas leis e permitem que três versões do Doctor interajam para tentar derrotar o vilão que pretende destruir o universo. O vilão, Omega, vive em um universo de anti-matéria e capturou o Doctor e sua companheira (Jo Grant – Katy Manning) além dos colaboradores da UNIT o Brigadeiro Lethbridge-Stewart (Nicholas Courtney), Sargento Benton (John Levene) e o Dr. Tyler (Rex Robinson).


[Opiniões]
É interessante ver Pertwee e Troughton juntos e como se desenrola a ação. O primeiro deixa a clara impressão de um mágico de Las Vegas e o segundo de um bobo herdado de Os 3 Patetas. Já Hartnell, bastante adoentado, aparece apenas em sequências de monitor e sentado, sem realmente interagir com suas outras contrapartes. Neste arco o Brigadeiro passa a acreditar definitivamente na questão da regeneração do Doutor, algo que seria facilitado na próxima regeneração (Robot) pois ele veria o processo.

O episódio é basicamente sobre o poder absoluto e a corrupção que o poder provoca em quem o detêm. Há cenas de ação quando Omega envia seres para capturar o Doctor. O problema é que tais seres não passam de atores cobertos de plástico bolha queimado e colorido, beirando o ridículo. Beirando, mas não ultrapassando.

Como prêmio pela colaboração os Time Lords fornecem novos circuitos para a TARDIS e restauram o conhecimento da viagem no tempo e espaço no Doutor. Assim se encerra o exílio do Doctor na Terra.

[Curiosidades]
Omega retornaria no arco Arc of Infinity (1983, 5º Doctor), na produção de áudio Omega, no romance The Infinity Doctors e no livro-jogo Search for the Doctor.

O arco foi adaptado para o formato de novela em “Doctor Who The Three Doctors”, adaptado por Terrance Dicks e lançado em 20 de novembro de 1.975 na edição 64 da série de romance do Doctor pela Target Books.

-1
(Arco 64)
0
(Arco 65)
+1
(Arco 66)
The Time Monster
The Three Doctors
Carnival of Monsters

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…