Pular para o conteúdo principal

Doctor Who [Arco 050]: The War Games


O Doctor (Patrick Troughton), Jamie McCrimmon (Frazer Hines) e Zoe Heriot (Wendy Padbury) chegam a um planeta desconhecido, supostamente a Terra, em um período que aparenta ser a 1ª Guerra Mundial, imediatamente se distanciam da TARDIS e são feitos prisioneiros em um dos fronts de batalha, impedindo que saiam do planeta.

[Localização no Continuum]
The War Games é o 50º arco da série de TV britânica Doctor Who, exibida pela BBC. É o sétimo e último arco da 6º temporada. É composto de dez episódios com 25 minutos em média e foi exibido de 19/04/1969 a 21/06/1969. É o último arco com o Segundo Doutor – que voltaria em participações em TheThree Doctors e no Especial de 20 anos – e também é o último episódio com os companheiros Jamie e Zoe.

[Trama]
A TARDIS aterriza na Terra no período da 1ª Guerra Mundial. O Doctor, Jamie e Zoe são feitos prisioneiros e em uma das tentativas de fuga descobrem que estão, na verdade, em um planeta formado por várias zonas de guerras de várias épocas distintas (1ª Guerra Mundial, Período Romano, Guerra Civil, etc.) onde uma raça alienígena treina os combatentes para formarem um grande exército de dominação.

Entre os auxiliares dos alienígenas o Doctor encontra um Time Lord, chamado de War Chief, e após várias tentativas de fuga, hesitando por seu destino o Doctor decide chamar sua raça para resgatar e enviar as pessoas para suas eras corretas. Há a primeira e mais consistente referência aos Time Lords, a Gallifrey e ao status do Doctor em seu planeta: ele é um criminoso, pois roubou a TARDIS e quebra a lei de não interferência de sua raça.

No último episódio do arco os Time Lords devolvem Jamie e Zoe aos respectivos períodos de tempo sem a memória de suas aventuras e o Doctor é julgado!

Por seus crimes é exilado na Terra e passa por uma “renovação” forçada – ele não morre e ainda não havia o termo “regeneração” – e a temporada termina com os Time Lords enviando-o para o nosso planeta, onde deverá agir como guardião do planeta mas sem a TARDIS.

[Opiniões]
The War Games é bem mais longo que o necessário! Há uma dezena de fugas e capturas sem que a trama evolua, possivelmente para fixar a questão das diversas zonas temporais e da maneira como os alienígenas constantemente limpam as memórias dos terráqueos e como é cruel um jogo para descobrir quem é o mais apto soldado.

Por sinal, ainda que a trama de treinamento para um exército de dominação faça sentido e que um planeta criado por várias zonas temporais seja um tema já clássico (o planeta de Guerras Secretas da Marvel é uma versão do tema e tendo em visto o reboot da editora em 2015 é bastante atual), o fato do Time Lord auxiliar os alienígenas não convence plenamente, especialmente em uma posição subalterna. Ele é o War Chief que presta contas ao War Lord e é constantemente posto à prova pelo chefe de segurança. Morto na trama, o War Chief não se regenera, mas muito do que se vê nele encontraríamos no adversário clássico do Doctor, o Mestre.

O arco ganha importância por ser o final da era do segundo Doutor e a primeira aparição dos Time Lords. Na próxima temporada que se iniciaria dez meses depois teríamos a chegada do Terceiro Doutor (Jon Pertwee) e o início do Exílio na Terra. O programa poderia perder parte de seu charme sem a TARDIS, mas teríamos cores e então um novo interesse!

[Curiosidades]
O arco foi adaptado para o formato de novela em “Doctor Who and The War Games”, adaptado por Malcolm Hulke e lançado em 25 de setembro de 1.979 na edição 70 da série de romance do Doctor pela Target Books.

-1
(Arco 49)
0
(Arco 50)
+1
(Arco 51)
The Space Pirates
The War Games
Spearhead from space





Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…