Pular para o conteúdo principal

Doctor Who [Arco 75]: Robot


Dizem que todos tem que iniciar por algum lugar. Desde que eu conheci o Doutor e a estrutura da série tenho iniciado diversas vezes o primeiro arco (An Unearthly Child), ainda sem sucesso. Está claramente datado, mas se esforço. Ainda assim, obtive bons níveis de divertimento com as tentativas seguintes com Robot (arco 75, o primeiro com o quarto interprete) e The tomb of the Cybermen (arco 37, uma história do segundo Doutor). Acho mais divertido não ser tão rigoroso com cronologia com sou nos quadrinhos e literatura e assistir a um passeio de Doutores, ainda que mesmo neste caos haja alguma ordem.

[Localização no Continuum]
Robot é o 75º arco da série de TV britânica Doctor Who, exibida pela BBC. É o primeiro arco da 12º temporada, assim como o primeiro com o quarto Doutor, interpretado por Tom Baker. É composto de 4 episódios com 25 minutos em média e foi exibido de 28/12/1974 a 18/01/1975.

[Trama]
Após a terceira regeneração do Doutor, o senhor do tempo vê-se envolvido em uma trama onde um instituto de pesquisa (National Institute for Advanced Scientific Reseach) se apropria de um robô criado por um de seus ex-colaboradores (Professor JP Kettlewell) para roubar segredos militares.
Como o Doutor está em processo de recuperação, geralmente bastante confuso (o quê me faz lembrar os efeitos do Poço de Lázaro da cronologia do homem-morcego) há espaço para Sarah Jane Smith (Elisabeth Sladen) agir como investigadora e para o Brigadeiro Lethbrige-Stewart (Nicholas Courtney) da UNIT tranquilizar seus agentes sobre quem é o “novo” Doutor, evitando as confusões da regeneração anterior, assim como indicar um novo companheiro para o senhor do tempo.

Tipica trama militar da época da Guerra Fria (roubo de segredos pelo uso de tecnologia) mesclada a história do monstro criado pelo homem (semelhante à Frankenstein) que sai completamente ao controle (lembrando em alguns momentos King Kong), o arco cumpre sua missão de apresentar o novo Doutor e estabelecer os companheiros deste período: Sarah Jane e Harry Sullivan (Ian Marter).

-1
(Arco 74)
0
(Arco 75)
+1
(Arco 76)
Planet of the Spiders
Robot



Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…