Pular para o conteúdo principal

Doctor Who [Arco 76]: The Ark in Space


O segundo arco da 12ª temporada de Doctor Who é bem superior em design e trama ao arco anterior. Mesmo soluções simples como usar plástico bolha tingido de tinta verde para apresentar uma transformação funciona bem, apesar que sabermos a verdade, especialmente por que a câmera não economiza close-up.

[Localização no Continuum]
The Ark in Space é o 76º arco da série de TV britânica Doctor Who, exibida pela BBC. É o segundo arco da 12º temporada. É composto de 4 episódios com 25 minutos em média e foi exibido de 25/1/1975 a 15/2/1975 (era portanto, o arco que estava sendo exibido quando nasci, em 10/02/1975).

[Trama]
Partindo com Sarah Jane Smith (Elisabeth Sladen) e Harry Sullivan (Ian Marter), o Doutor (Tom Baker) chegam a um momento do futuro onde a Terra foi destruída e parte da população humana aguarda a recuperação do planeta dormindo na Estação Espacial Nerva.

Infelizmente um erro no sistema deixa-os dormindo mais tempo que o necessário. Quando o trio chega à estação, Sarah é capturada e posta em hibernação, fazendo com que o Doutor procure maneiras de reverter o processo.

Após acordar uma mulher chamada Vira, o Doutor descobre que uma forma insetoide conhecida por Wirnn planeja infectar os sobreviventes na arca e assim, colonizar o planeta. Os Wirnns dizem serem sobreviventes de um conflito com uma colônia humana em Andrômeda – tida por Vira como perdida, o quê estabelece o plot que antes de iniciar o processo de recuperação do planeta várias colônias tentaram a sobrevivência da raça humana.

O Wirnn infecta o líder da arca, Lazar (que evidentemente tem o apelido de Noé) e há um sensível conflito na resistência do líder à transformação e à tentativa de implementar o plano dos insetos na nova e recuperada Terra. Não há detalhes sobre como foi feito a recuperação do planeta, mas apenas uma ideia implícita de que a população foi para o espaço em colônias diversas e que o planeta, ao longo dos milênios recuperou-se.

O arco seguinte é uma continuação direta da trama iniciada aqui.

-1
(Arco 75)
0
(Arco 76)
+1
(Arco 77)
The Ark in Space





Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…