Open top menu
segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014


Quase todas as vezes que tive experiências com versões do diretor ou do autor deparei-me com muita explicação e pouca ação. Mago: Mestre não segue exatamente este princípio. O livro original (Mago) recebeu enxertos e tornou-se dois, Mago: Aprendiz e Mago: Mestre, mas realmente o produto final faz com que tenham uma estrutura que não permita lembrar que eram apenas um livro menor em tamanho, pois aparenta ser um produto construído com o formato atual.

Um dos pontos interessantes quando se observa o enxerto é que os pulos de tempo são frequentes, algo nem sempre comum nestes apêndices, já que eles procuraram detalhar períodos não cobertos na obra original. O livro começa por volta do quarto ano da guerra e vai até o nono ano, cobrindo assim um grande período de tempo e há períodos longos em que não há nenhum detalhamento.

Neste volume temos a narrativa da vida de Pug, o pretenso mago do volume inicial, como escravo e como a sorte faz com que ele seja descoberto por um dos Grandes de Kelewan e torne-se finalmente o Mago prometido na série, não sem antes apresentar Laurie, um trovador de Midkemia, também escravo agora o companheiro de Pug, e Kasumi, lorde que terá função primordial na série.

Já Tomas influenciado por um espírito do passado consegue o amor da Rainha dos Elfos, mas custa-lhe uma transformação que quase o torna uma criatura cruel. Fico com a impressão de que a trama não rendeu tudo, e que poderia ser por si só, um enxerto. Apesar de importante para a trama, torna-se um coadjuvante bem secundário, mesmo estando presente e sendo responsável por eventos importantes.

Bem cresce é Arutha, um príncipe de Crydee, Amos, um navegador e Martin, mestre de caça de Crydee, vivendo empolgantes aventuras que os levam novamente à Krondor e então ao resgate da Princesa Anita. Nesta trama um nobre do leste tenta preparar a situação para sentar-se no trono, aproveitando que os exércitos do oeste estão envolvidos na longa guerra e que o rei atual é louco.

Com a escravidão e o treinamento de Pug em Kelewan, finalmente temos uma visão detalhada desta sociedade e que como surgiram os portais. Aparentemente todos sugiram de um mundo original, expulsos pelo Inimigo e os habitantes destes mundos se dividiram entre mundos habitados e não habitados, com muito e com poucos recursos – caso de Kelewan que não dispõe de metal. Produzido antes, o treinamento de Pug encontrar ecos no treinamento de Arya Stark ou nas provações de Daenerys, iludida com seus magos. O próprio conceito de portal e de inimigo que expulsa desafetos lembra em muito o Adversário de Fábulas, a série em quadrinhos da DC Comics. Fica, inclusive implícito que o Inimigo poderá um dia atacar Midkemia.

Bem escrito e de fácil leitura, apesar de seus protagonistas iniciarem a história como crianças ou adolescentes, Raymond Feist consegue romper a ideia de literatura para este público. Seu texto consegue ser agradável a qualquer um que se interesse pelo tema de espada & magia.

Mago: Mestre (ISBN 978-85-67296-03-6) de Raymond E. Feist, Tradução de Cristina Correia, Rio de Janeiro: Saída de Emergência, 2014. Coleção Bang! #04. 432 páginas.

Different Themes
Written by Lovely

Aenean quis feugiat elit. Quisque ultricies sollicitudin ante ut venenatis. Nulla dapibus placerat faucibus. Aenean quis leo non neque ultrices scelerisque. Nullam nec vulputate velit. Etiam fermentum turpis at magna tristique interdum.

0 comentários